Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Fiat Uno, Grand Siena, Doblò e Fox saem de linha; confira os substitutos

Veteranos se aposentam e abrem espaço para a produção de veículos mais modernos


Por Jady Peroni, especial pra o Jornal do Carro (colaborou Tião Oliveira)

16/09/2021 às 07h00- Atualizada 16/09/2021 às 07h55

Os próximos meses serão os últimos para quatro carros bastante populares no Brasil: Fiat Uno, Grand Siena e Doblò, bem como o Volkswagen Fox. Embora a obrigatoriedade de controle eletrônico de estabilidade nos modelos nacionais tenha sido adiada para 2024, o quarteto sairá de cena para abrir espaço para a produção de veículos mais modernos.

No caso do Uno, o substituto natural é o Mobi, que acaba de chegar à linha 2022. A principal novidade é a central multimídia com tela sensível ao toque que oferece conexão sem fio com Android Auto e Apple CarPlay.

Com o fim do Grand Siena, a marca concentrará esforços no Cronos, que vem se destacando em vendas. Já o furgovan Doblò não terá um substituto direto. Porém, o fim da produção facilitará o lançamento do Pulse. O novo SUV deve estrear nas próximas semanas e terá preço inicial em torno dos R$ 100 mil.

Da Volkswagen, a notícia do fim do Fox vem sendo esperada há tempos. Para o lugar do veterano haverá uma versão mais simples do Polo e a nova geração do Gol, que deve se transformar em um pequeno SUV.

Modelo 2022, Fox Xtreme tem preço inicial de R$ 61.690. Hatch deve ser substituído pela versão mais simples do Polo e a nova geração do Gol (Foto: Volkswagen/Divulgação)

Dezesseis modelos terão a produção encerrada no Brasil em breve. Isso é resultado da crescente demanda por novas tecnologias. Assim, os carros que não podem receber atualizações vão ficando para trás nos resultados de vendas. Além disso, a crescente preferência do consumidor pelos SUVs parece não ter fim.

O conteúdo continua após o anúncio

Isso pode ser comprovado pelos dados de emplacamento. De janeiro a agosto deste ano, o Uno, por exemplo, somou 18.637 vendas. Esse número representa apenas 10,2% das 183.254 unidades emplacadas no mesmo período de 2011.

O comportamento dos compradores brasileiros em relação ao Siena é bastante parecido. O sedã compacto teve 64.983 emplacamentos no mercado brasileiro nos oito primeiros meses de 2011. No mesmo período deste ano, por sua vez, foram vendidas apenas 9.581 unidades. Ou seja, menos de 15% na comparação com os resultados registrados há uma década.

Já na Fiat, Uno se aposenta e abre ainda mais espaço para o Mobi, que acaba de chegar à linha 2022 (Foto: Fia/Divulgação)

Já o Doblò, que recebeu a última reestilização em 2009, está perto de completar 20 anos de presença no Brasil. O furgovan foi lançado em uma época em que as famílias eram seduzidas por minivans como a Chevrolet Zafira e a Citroën Xsara Picasso, por exemplo. Feito em Betim (MG), o Doblò teve dois rivais direto no país: os argentinos Citroën Berlingo e Renault Kangoo. E, embora tenha soluções como teto alto, bom espaço interno e porta lateral deslizante, o preço alto sempre limitou suas vendas. A tabela parte de R$ 127.604 (no Estado de São Paulo). A diferença de preço em relação ao do Jeep Compass, por exemplo, que é um SUV, tem 14 cm a mais no comprimento e é bem mais moderno, é de R$ 24.277.

Fox

Com o fim da linha na Argentina, o VW Fox continuou a ser feito apenas no Brasil. O hatch chegou ao mercado em 2003 inicialmente com carroceria de duas portas e soluções inovadoras, como o sistema de trilhos do banco de trás que permite ampliar a área do porta-malas.

Disponível em duas versões, tem preço inicial de R$ 61.690, no caso da versão Connect, e de R$ 67.430 para a Xtreme. O motor é sempre 1.6 flexível de até 104 cv de potência e o câmbio, manual de cinco velocidades. Não há opcionais.

De janeiro a agosto, o VW soma 13.613 vendas. No mesmo período de 2011, foram 80 mil.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia