Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Semipresidencialismo tem que ser discutido com a sociedade, diz cientista político

Por Paulo Cesar Magella

31/07/2021 às 17h30 - Atualizada 31/07/2021 às 13h49

O semipresidencialismo, outra agenda em pauta no Congresso Nacional tem um futuro incerto por conta da necessidade de realização de um plebiscito para sua implementação. A despeito de algumas vantagens, ele, como o parlamentarismo, não tem a simpatia do brasileiro. As experiências vividas foram efêmeras, como ocorreu no início da década de 1960, quando Tancredo Neves, para garantir a governabilidade de João Goulart, tornou-se primeiro ministro. A experiência durou pouco. Em outros momentos, a população, por maioria, rejeitou a repetição da ideia.

O conteúdo continua após o anúncio

Proposta é antagônica ao distritão, que a Câmara Federal discute ainda este ano

Durante sua participação no Pequeno Expediente, da Rádio Transamérica Juiz de Fora, o cientista político Rubem Barboza voltou a alertar que o semipresidencialismo também é uma pauta que deve ser discutida com a sociedade, sobretudo por sua relevância. Hoje, que tem a pretensão de votar para presidente em Jair Bolsonaro ou Luiz Inácio Lula, certamente será contra esse modelo. Ademais, para Rubem Barboza há incoerência nas discussões, pois se for mantido o distritão, o semipresidencialismo vai para o espaço ante a redução de forças dos partidos. “São questões antagônicas, pois cria-se mais um problema para o sistema representativo”, destacou.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia