Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Vereadores adiam definição de partidos após fusão

Por Paulo Cesar Magella

16/10/2021 às 12h00 - Atualizada 15/10/2021 às 17h36

Embora o PSL e o DEM já tenham aprovado a fusão das duas legendas, para criação do União Brasil, a nova composição ainda é uma incógnita. Na Câmara Municipal, os vereadores Antônio Aguiar (DEM), Luiz Octávio Coelho (Pardal – PSL) e Maurício Delgado (DEM) pretendem esperar a palavra final do Tribunal Superior Eleitoral – homologando a fusão – para se posicionar, mas não será surpresa se nenhum deles migrar para o novo partido. Aguiar ainda depende de conversas com o senador Rodrigo Pacheco para bater o martelo. O presidente do Congresso está na mesma posição: é cortejado por várias legendas e ainda não anunciou seu próximo passo. O vereador já recebeu convite de outros partidos, mas pediu tempo.

O conteúdo continua após o anúncio

Pardal deve se definir só em fevereiro de 2022

Ex-presidente da Câmara, Pardal está conversando com o seu grupo, pois não toma decisões monocráticas, mesmo se tratando de seu futuro político. Como o TSE só deve se manifestar em fevereiro, ele acredita ter tempo suficiente para uma análise mais apurada do quadro e até mesmo a possibilidade de uma eventual candidatura a deputado. Por enquanto, fica aonde está.

Maurício Delgado vai analisar a conjuntura política para tomar decisão

Cumprindo o seu primeiro mandato na Câmara, que por si só já é um desafio, o vereador Maurício Delgado não se vê filiado ao União Brasil. Como os demais, ele analisa a conjuntura, mas a hipótese mais plausível é ficar um período sem partido até que o cenário se apresente mais claro. Como tem mandato até 2024, considera ser um período suficiente para avaliar a filiação e até mesmo o seu futuro político.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia