Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Indústria de energia renovável tem pacote de investimentos da ordem de R$ 3 bi em Juiz de Fora

Por Paulo Cesar Magella

02/12/2021 às 18h02 - Atualizada 02/12/2021 às 18h02

A assinatura do termo de compromisso entre o Município de Juiz de Fora, representado pela prefeita Margarida Salomão, e a Braspell Bioenergia, para implantação de um complexo fabril em Juiz de Fora, com investimentos que podem chegar à casa dos R$ 3 bilhões, foi presenciado por lideranças empresariais, políticas e dos trabalhadores, em ato no Teatro Paschoal Carlos Magno. Na ocasião, o CEO do grupo, Guilherme Batalha, deu a boa nova para investidores, que há cerca de dez anos, ante a promessa de um negócio de grande retorno, investiram na plantação de eucalipto. A empresa tem como foco a produção de pellets de madeira para uso como biocombustível e assegurou a esses empreendedores um novo modelo. Eles vão receber antecipadamente pela produção. No seu discurso, a prefeita enfatizou que o negócio era uma vitória para a cidade e para a região, no que foi seguida pelo presidente da Associação Comercial, Aloísio Vasconcelos, quando disse que em onze meses a prefeita já tinha feito história no cargo.

O conteúdo continua após o anúncio

Carta de Juiz de Fora encaminhada ao governador

O dirigente da Associação Comercial e a prefeita Margarida Salomão, no mesmo evento, assinaram a Carta de Juiz de Fora, documento a ser encaminhado ao governador Romeu Zema com as demandas da cidade. Há cerca de seis meses, a prefeita e Aloísio, durante reunião com o governador, em Belo Horizonte, ouviram dele que não tinha dados para carrear políticas de Estado para o município. Na ocasião, foi acertado a formatação do documento que agora sai do papel.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia