O Amor na Era Digital

Ainda existe?

Por Gilsara Mattos Côrtes

 

start digital DChgWclU xU unsplash
(Foto de Star Digital – Unsplash)

É Natal outra vez. 🙂 Festa, descanso, viagem… Seja lá como for a forma que você comemora esta data, ela é muito mais do que tudo isso. 

É uma nova chance de recomeçar, de zerar erros, renovar esperanças e projetos.

Todos buscam o  mesmo objetivo: FELICIDADE.

Este é o item mais desejado que encontrar petróleo no quintal, e para muitos, é tão difícil quanto.

Dizem que ela está nos fardos de dinheiro, nas toneladas de ouro, mas isso não é verdade  já que existem milionários solitários e infelizes. 

A Felicidade está no Amor. Ser amado e também amar é o alimento que dinheiro nenhum pode proporcionar. 

Sempre nos sentiremos insatisfeitos se não houver amor na equação da nossa vida. Quando D’us nos mandou amar a Ele, a nós mesmos e aos outros, estava nos dando a fórmula da Felicidade. Mas muitos, ricos ou pobres, têm  amado apenas a si mesmos. Narcisismo gera egoísmo e  o egoísmo afasta o amor e a felicidade que desejamos.

A era digital cresce descartando o valor das pessoas. 

Mas máquinas não amam. E afastados das pessoas, surgem a frustração, a solidão e a depressão.

Dinheiro compra sexo e sexo dá prazer, mas só o Amor dá prazer e Felicidade. Sem amor nos tornamos vazios, frios, Infelizes. Todo amor que NECESSITAMOS receber, tem sido erroneamente buscado nos animais. As pessoas estão se afastando umas das outras com a mais estarrecedora facilidade. Não estamos longe da terrível realidade exibida no filme “Her”.

A era digital proporciona conforto, rapidez, abrangência e também uma escravidão que poucos estão conseguindo perceber. Estamos nos tornando escravos de nós mesmos, de nossas vontades, de nossos egos. Desta forma não há lugar para o amor, pois o amor, em primazia, é doação ao outro. Onde fica o casamento nisso tudo? Não fica. Cresce o número de divórcios, de infidelidade, de descomprometimento com o outro, já que casamento  exige amar o outro e não apenas a si mesmo. Todos querem ser amados, mas  quem quer amar? Pessoas se tornaram produtos numa era em que busca-se cada vez mais benefícios para si, sem custo algum. E com tantas opções no mercado, para que se dedicar à uma só pessoa, não é mesmo?

O Natal é para nos tirar desse transe da auto idolatria, do errôneo conceito do “poder tudo o que quiser”, do “empoderamento”, do egoísmo, do pleno direito,  do zero dever, e do descarte. 

Apesar de tanta frieza mascarada de conforto, de praticidade e de prazer, no  digital, sempre necessitaremos do amor para sermos felizes, pois somos humanos.

Interagir com o outro nos amplia. Interagir só consigo mesmo nos  diminui. Interagir só com animais não nos supre do amor que precisamos. 

E o casamento nos protege desse isolamento, desse egoísmo, desse decréscimo, desta infelicidade. 

Então, aproveite esta nova chance chamada “Natal”,  para se lembrar por que  D’us enviou Jesus aqui. Não comemore sem o aniversariante.

HOJE é uma nova chance de mudar a fria forma de viver e alcançar a felicidade tão almejada ao colocar AMOR no seu coração e consequentemente, no seu casamento. ❤

 

Gilsara Mattos Côrtes

Gilsara Mattos Côrtes

Criadora do curso “Felizes para Sempre, Existe!”, Gilsara Mattos Côrtes é  terapeuta pela IBFT, e pretende levar aos casais a felicidade conjugal das telas de cinema, esta almejada realidade para as suas vidas. Em sua coluna, vai compartilhar dicas que os leve a trilhar o caminho até este objetivo, retirando dele as ervas daninhas que o torna cheio de dissabores e desencontros. O casamento é como uma dança, que deve ser agradável para ambos enquanto desfilam no grande baile que é a vida. O objetivo da coluna é mostrar como acertar o passo, se afinar ao outro, dançar no mesmo compasso e se divertir com esta dança extasiante chamada casamento. É também publicitária, palestrante e autora de livros e roteiros para cinema.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também