Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Passo adiante

Liberação do segmento de eventos em Juiz de Fora aponta para os avanços no processo de imunização, mas a fila de espera ainda é extensa


Por Tribuna

13/05/2021 às 07h00

O avanço do processo de vacinação vai permitir a flexibilização de vários serviços, como ocorreu nesta quarta-feira, em Juiz de Fora, quando o setor de eventos foi autorizado a fazer promoções de até 40 pessoas, com o cumprimento de protocolos sanitários. Foi um passo adiante, por ter sido um dos segmentos mais afetados pela pandemia, estando praticamente parado desde o início do ano passado.

Nem todos terão meios de retornar, e um outro tanto o fará de forma desidratada ante a nova realidade econômica e os danos sofridos durante esse período. Entre deveres e haveres a conta não fecha.

O conteúdo continua após o anúncio

A mudança de patamar da contaminação aponta para a necessidade de incrementar ainda mais a imunização da população, por ser a única forma possível para o seguro retorno, pelo menos, a um novo normal. Para tanto, porém, as instâncias de poder carecem de melhorar sua logística e garantir a sequência sem o risco de desabastecimento. Pelo país afora são registrados casos de falta de vacinas para a segunda dose e até mesmo para a primeira. A condução mal adequada das negociações para aquisição de vacinas e de insumos reflete diretamente no processo de imunização. São filas quilométricas nas quais os personagens nem sempre têm a garantia de receber a vacina.

A CPI da Covid, que nesta quarta-feira ouviu o ex-secretário de Comunicação do Governo federal, Fábio Wajngarten – ocasião em que ele entregou uma carta da Pfizer oferecendo vacinas ao Brasil em 2020 que ficou nas gavetas da burocracia por pelo menos dois meses -, enfrentou o problema, mas sem apontar alternativas. O documento teria sido enviado ao Governo em 12 de setembro, mas Wajngartem afirmou só ter tido conhecimento em 9 de novembro, por meio do dono de um veículo de comunicação. O depoimento teve momentos de tensão, como já era de se esperar, mas não é face derradeira desse processo.

A despeito da busca das causas do atraso da vacinação e de o país ter chegado a um número recorde de mais de 410 mil mortos, é necessário, como já foi dito aqui, insistir sobre o que deve ser feito para garantir o atendimento coletivo. Por enquanto, o país atende a faixas especiais e segmentos determinados, mas grande parte da população continua esperando sua vez. E essa falta de perspectiva amplia a preocupação das ruas, pois, enquanto em vários países, sobretudo do primeiro mundo, até jovens já estão sendo atendidos, por aqui essa questão ainda está longe de ser definida.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia