Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

PJF assina contrato com organizadora de concurso para magistério

Expectativa é de que edital seja lançado ainda este ano; mais de 600 vagas devem ser abertas


Por Renato Salles

22/11/2021 às 21h39

A prefeita Margarida Salomão (PT) assinou, na tarde desta segunda-feira (22), contrato com a Consulplan Consultoria e Planejamento em Administração, empresa que ficará responsável pela elaboração, organização e realização do concurso público para provimento de cargos do quadro do magistério municipal da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF). A expectativa é que a publicação do edital ocorra ainda este ano, com as provas sendo realizadas em 2022. Devem ser ofertadas mais de 600 vagas, incluindo os cargos de professor, coordenador pedagógico e secretário escolar.

“Foi um processo muito cuidadoso, em que as dúvidas que surgiram foram sendo dirimidas e, agora, com segurança, nós firmamos esse contrato com a expectativa de que, nos próximos dias, haja os desenvolvimentos necessários, para que, no início de dezembro, dê a público o edital do concurso”, afirmou Margarida, após a assinatura do contrato. A prefeita lembrou ainda que a consolidação do concurso público havia sido um compromisso assumido durante sua campanha, no ano passado.

“É um concurso muito necessário. Nós precisamos repor o quadro efetivo da educação, que vem sendo atendida de uma forma menos satisfatória. Em acordo com o que nós havíamos nos comprometido em campanha, estamos abrindo esse concurso ao fazer essa contratação da empresa, que há de elaborar e aplicar as provas. Não é apenas um compromisso de campanha, mas é uma convicção profunda de que não há outra forma de seleção para reposição da força de trabalho”, disse a prefeita.

O conteúdo continua após o anúncio
Contrato com a Consulplan Consultoria e Planejamento em Administração foi assinado na tarde desta segunda-feira (Foto: Carlos Mendonça/PJF)

Secretário de Recursos Humanos, Rogério de Freitas detalhou alguns aspectos que devem nortear a seleção pública. “É um momento muito esperado, demandado há muitos anos e, finalmente, vamos iniciar um concurso de grande monta, que vai recrutar professores do ensino fundamental e especialistas, coordenadores pedagógicos e secretários escolares. Refizemos toda bibliografia para dar mais atualidade possível aos temas que vão ser objeto do concurso”, destacou.

Esboço

Em esboço desenhado na concorrência que resultou na contratação da Consulplan, publicada em março deste ano, o concurso deverá ofertar cerca de 630 vagas. A se confirmar a previsão, serão 343 oportunidades para professores regentes A, com exigência de 2º grau completo e formação em Magistério. Os salários estão estimados em R$ 1.443,12, o que corresponde ao valor equivalente ao Piso Nacional do Magistério, “proporcional à jornada de trabalho de 20 horas semanais”, conforme a publicação da PJF. Os valores devem ser revistos até a conclusão do processo.

Também devem ser preenchidas 248 vagas para professores regentes B, que exigem formação em curso de ensino superior em áreas diversas, contemplando as seguintes especialidades: Artes, Ciências, Dança, Educação Física, Geografia, História, Inglês, Matemática, Língua Portuguesa, Libras, Música e Teatro. Nestes casos, os salários estão estimados em R$ 1.628,82, também para jornada de 20 horas semanais.

No esboço de março, havia a previsão de oferta de 34 vagas de coordenador pedagógico, com formação em curso superior completo de Pedagogia e salários de R$ 1.863,10, para jornada de trabalho de 22 horas semanais; e cinco oportunidades para secretários escolares, com o ensino médio e habilitações nas áreas de Magistério ou Técnico em Contabilidade, Administração, Processamento de Dados e Secretariado. Neste último caso, os vencimentos são de R$ 1.936,03 para jornada de 40 horas semanais.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia