Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Câmara aprova reajuste de 33,24% para magistério da rede municipal

Pagamento será feito de forma escalonada ao longo dos próximos meses; índice corresponde ao Piso Nacional do Magistério


Por Tribuna

22/06/2022 às 21h00- Atualizada 22/06/2022 às 21h08

Nesta quarta-feira (22), a Câmara Municipal de Juiz de Fora aprovou, em segunda discussão, o reajuste de 33,24% nos vencimentos dos professores da rede municipal de ensino. Nesta terça-feira (21), o texto voltou a ser votado em plenário e fora aprovado em primeira discussão. Após passar por terceira discussão, o projeto seguirá pra sanção do Executivo.

O índice de 33,24%, correspondente ao Piso Nacional do Magistério definido em 2022, foi acordado entre a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) e o Sindicato dos Professores (Sinpro) e encaminhado ao Legislativo no último dia 24 de maio.

Em comunicado nesta quarta, o Sinpro classificou a tramitação do projeto como “moroso”, mas afirmou que mantém acompanhamento para que o pagamento da primeira parcela da recomposição aconteça em setembro.

O conteúdo continua após o anúncio

O pagamento do percentual ocorrerá de maneira escalonada. Em abril, houve um reajuste de 10,06%. O percentual será retroativo a janeiro. Neste caso, as diferenças remuneratórias mensais relativas a janeiro, fevereiro e março serão pagas, respectivamente, nas folhas de pagamento referentes a maio, junho e julho.

Os professores devem receber novo reajuste em seus salários, agora de 7%, em setembro. Da mesma forma, os vencimentos serão reajustados em 6,5% em outubro; e em 6,25% em novembro.

Ao final, oos percentuais totalizarão o reajuste de 33,24%, conforme a Lei do Piso do Magistério. O acordo também prevê a retroatividade a janeiro dos percentuais que serão dados à categoria em setembro, outubro e novembro. O pagamento das diferenças, no entanto, vai ficar para 2023, quando será definido o calendário de quitação.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia