Tópicos em alta: polícia / chuva

Servidores questionam terceirizações na Cesama

Servidores acompanharam audiência pública sobre a terceirização de algumas atividades realizadas pela empresa pública

Por Tribuna

05/12/2018 às 21h55

Servidores da companhia participaram da reunião na tarde desta quarta-feira (Foto: Marcelo Ribeiro)

Servidores da Cesama estiveram na Câmara na tarde desta terça-feira (5) para acompanhar audiência pública sobre a terceirização de algumas atividades realizadas pela empresa pública. Proponente do debate, o vereador Roberto Cupolillo (Betão, PT) considerou que as mudanças seriam reflexo da reforma trabalhista, aprovada no ano passado. Ao final, diversos vereadores se manifestaram sobre o tema e cobraram um maior diálogo entre os responsáveis pelas tomadas de decisão da Cesama e os servidores.

A situação também foi apontada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço de Água de Juiz de Fora (Sinágua), Ednaldo Ramos. “Funcionários de mais de 30 anos que ajudaram a companhia a crescer estão modificando as funções. A terceirização está sendo feita de forma bruta, sem conversa”, considerou. O sindicalista ainda apontou que, desde 2007, não ocorre a abertura de concurso para a contratação de funcionários.

O conteúdo continua após o anúncio

Ainda segundo o Sinágua, há a previsão de que 26 funcionários terceirizados sejam contratados, com custo aproximado de R$ 1 milhão por ano. Por outro lado, o diretor-presidente da Cesama, André Borges, admitiu a terceirização de algumas atividades e lembrou que as mudanças passam por deliberação de um conselho de administração da empresa, em decisões que vão além da diretoria da empresa pública.

“É importante ressaltar que a Cesama, desde junho deste ano, obedece um estatuto que segue as regras para as empresas estatais, além de ter um conselho que participa das decisões da companhia. A política de terceirização que está ocorrendo é sem perda de nenhum emprego. E isto vai ser cumprido, sem dúvida nenhuma. Quando a gente desloca esses servidores, tem limite previsto por lei para que eles desempenhem outros cargos. Esses terceirizados vão atuar nessas áreas”, afirmou.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia