Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / lockdown / vacina / polícia / obituário

Ultramaratonista treina para correr de Juiz de Fora ao Rio de Janeiro

Atleta Caio Trivellato, 33 anos, programa percorrer 180km até a orla de Copacabana entre os dias 17 e 18 de abril


Por Bruno Kaehler

02/04/2021 às 07h00

A realização de um sonho. Assim o empresário e ultramaratonista Caio Trivellato, que completa 34 anos na próxima segunda (5), sintetiza o desafio de correr de Juiz de Fora até a orla de Copacabana, no Rio de Janeiro. Apaixonado pelo esporte desde 2015, quando teve suas primeiras largadas, ele não deixou de evoluir e buscar mais aventuras.

“Em 2016, fiz minha primeira das 17 meia-maratonas que completei e, dois anos depois, realizei minha primeira maratona. De lá pra cá são cinco provas de 42km. No ano passado, com a suspensão dos eventos presenciais devido à pandemia, eu fiz a versão virtual da ultramaratona sul-africana Comrades, de 90km”, conta o atleta nascido em Ponte Nova (MG) e radicado em JF.

A partir desta paixão pela corrida veio a ideia dos 180km, moldada diante da crise sanitária. “A princípio seria eu e mais três amigos, mas, em decorrência da pandemia e de datas, o desafio teve de ser suspenso. Esse ano eu resolvi que o faria de forma independente. Inicialmente iria ser entre 3 e 4 de abril, mas por respeito aos protocolos sanitários de Minas e do Rio de Janeiro, a data passou a ser 17 e 18 de abril”, destaca.

O conteúdo continua após o anúncio

Durante todo o percurso, Caio terá o suporte de pessoas próximas, que o acompanharão de carro e correndo. “No asfalto, o Jaime Freguglia, amigo e ultramaratonista, acompanha lado a lado. E em parceria com a Sudeste Automóveis, o novo VW Nivus me acompanhará por todo percurso, tendo minha mãe (Norma Pereira), o meu padrasto (Maurício Pieroni) e o amigo é fotógrafo Danillo Goto alternando como motoristas”, explica.

Objetivo é sair de Juiz de Fora no sábado e chegar na Zona Sul do Rio no domingo (Foto: Arquivo Pessoal)

Preparação herdada

Caio conta que o fechamento de academias e demais estabelecimentos para treinos físicos não influenciou sua preparação, que já vinha sendo realizada para eventos mais tradicionais. “Desde o início da pandemia já vinha me preparando para as 5 maratonas previstas em 2020, então com a programação do desafio, o meu treinador Gilberto Roque alterou alguns pontos dos treinos, intensificando e dando mais volume, sem priorizar muito o pace (ritmo), que sempre foi meu foco”, explica.

O atleta não tem medido esforços para realizar muito mais que uma conquista esportiva no âmbito pessoal. “O desafio significa um sonho. Desde que comecei a correr, sonho em fazer esse percurso que é frequente pra mim, seja de carro ou ônibus, e completá-lo vai além de ultrapassar a barreira dos 100km correndo. Chegar ao Rio de Janeiro ao lado de amigos é único.”

O ultramaratonista ainda reiterou sua gratidão aos que o apoiam neste desafio. “Isso só se torna possível graças a todos os parceiros que aceitaram encarar a BR-040 comigo e correr ao meu lado, que são o Mr Tugas, Gilberto Roque, Inove Nutrition, Moove Nutrition, Relicário Brigaderia, Ótica Juiz de Fora, Velocità-SP, Skechers, Água Mineral Aqualeve de Ponte Nova e Sudeste Automóveis.”

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia