Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Novo comandante assume 4ª Brigada de Infantaria Leve

General Alcio Costa destacou que desafio é manter tropa preparada para atuar em missões, entre elas, a intervenção federal no Rio


Por Michele Meireles

27/08/2018 às 17h45

Os generais Alcântara Leite e Alcio Alves Almeida e Costa (Foto: Divulgação)

Aconteceu nesta segunda-feira (27) a passagem de comando da 4ª Brigada de Infantaria Leve (Montanha), sediada no Bairro Mariano Procópio, Zona Sudeste de Juiz de Fora. A brigada é responsável pelos quartéis de Juiz de Fora, São João del-Rei, Santos Dumont e Petrópolis. A solenidade reuniu diversas autoridades civis e militares, entre elas o general Walter Braga Netto, interventor federal que comanda as operações no Rio de Janeiro desde fevereiro desde ano. Durante a cerimônia, houve 1 minuto de silêncio em respeito aos três militares do Exército mortos na capital fluminense na última semana.

O general Carlos André Alcântara Leite, que comandou a brigada por dois anos, passou o comando para o general Alcio Alves Almeida e Costa, que veio de Brasília. General Leite segue para Porto Alegre, onde trabalhará assessorando o comandante do Comando Militar do Sul no Centro de coordenação de operações. O oficial destacou que o comando da 4ª Brigada foi uma “realização profissional e pessoal”, e destacou a qualidade da tropa de Juiz de Fora e região.

O conteúdo continua após o anúncio

Segundo o general Alcio Costa, seu primeiro e maior desafio à frente da 4ª Brigada será manter a tropa preparada para atuar na intervenção federal no Rio de Janeiro. Há possibilidade que tropas da cidade sigam para a capital fluminense. “Irei dar continuidade ao que o general Leite vinha fazendo. A troca de comando não pode representar nenhuma interrupção nas atividades normais. Para mim, o desafio é a diversidade de atividades que temos na Brigada, e agora, com as tropas participando da intervenção, é preciso estar com os militares preparados para cumprir a missão da melhor forma. Sob nossa coordenação, já foram empenhados militares de Petrópolis, Belo Horizonte e agora estão soldados de São João del-Rei. Depois, a Brigada deve ser empregada como um todo. O general Braga Neto já está conversando conosco, é provável que isto ocorra”, disse.

Braga Neto disse que o balanço da intervenção é positivo até aqui. Ele destacou queda nos índices de criminalidade violenta, entre elas o latrocínio, que caiu 55%. Ele destacou que o enfrentamento com bandidos é o principal problema. Na semana passada foram mortos a tiros o soldado Marcus Vinícius Viana Ribeiro, o cabo Fabiano de Oliveira Santos e soldado João Viktor da Silva. “O único índice que aumentou foi o do enfrentamento entre os bandidos e a polícia e nós. A marginalidade no Rio de Janeiro tinha posição de confrontar as forças, havia muitos tiros, normalmente se acertavam inocentes. Fizemos treinamentos de abordagem, não para matar, para abordar, ter mais segurança e evitar dano colateral. A polícia ficou melhor adestrada, com equipamento novo, e os bandidos mantiveram a posição irracional de, acuados, continuarem nos enfrentando, aí estão morrendo. Quando eles passarem a se entregar, isso vai cair”, disse o general, destacando que a intervenção ocorre até o dia 31 de dezembro e que já existe um plano de transição, que será entregue a Michel Temer em breve.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia