Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Vídeo que alerta sobre ocupação de leitos hospitalares não é de JF

Conteúdo foi publicado por médico para falar sobre Montes Claros, mas circulou como se fato fosse local


Por Tribuna

19/10/2020 às 08h39

Um vídeo que circula pelas redes sociais, de um médico endocrinologista alertando sobre a alta taxa de ocupação de leitos hospitalares, não é de Juiz de Fora. A publicação tem sido compartilhada de forma descontextualizada por juiz-foranos por conta da referência a um Hospital Universitário e uma Santa Casa. Entretanto, o médico que gravou o conteúdo, Murilo Lages, se refere à situação em Montes Claros, município localizado no Norte de Minas Gerais. No último sábado (17), a Santa Casa de Juiz de Fora informou, em suas redes sociais, que o médico não atua na instituição.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Santa Casa de Juiz de Fora (@santacasajf) em

O conteúdo continua após o anúncio

Em Juiz de Fora, por volta de 8h desta segunda-feira (19), a taxa de ocupação total de leitos de UTI na cidade era de 73,63%, de acordo com informações disponibilizadas pela Prefeitura. Do total de 273 leitos disponíveis, 54 estavam ocupados em razão da Covid-19. Em recorte que considerava apenas os equipamentos de cuidados intensivos credenciados ao SUS, o índice de ocupação era de 71,68%.

Em relação aos leitos de enfermaria, até o mesmo horário, 55,71% estavam ocupados. Destes, 72 tinham resultado positivo ou aguardavam diagnóstico para a Covid-19. Em sua totalidade, a cidade tem 126 casos de hospitalização devido ao coronavírus.

Na Santa Casa de Juiz de Fora, de acordo com o painel gerencial da Secretaria de Saúde, dos 55 leitos de UTIs existentes, cinco estavam ocupados por pacientes com a doença. Já na enfermaria, 14 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19. No Hospital Universitário da UFJF, três leitos de UTI estão ocupados por pacientes com resultado positivo.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia