Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

PJF sanciona lei que declara Missa do Impossível como patrimônio cultural

Sanção consta na edição de sábado do Diário Oficial do Município


Por Carolina Leonel

14/05/2022 às 14h26- Atualizada 14/05/2022 às 14h27

A prefeita Margarida Salomão (PT) sancionou a Lei 14.426 que declara a Missa do Impossível como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Município de Juiz de Fora. A sanção consta na edição deste sábado (14) do Diário Oficial do Município. Criado pelo vereador Marlon Siqueira (PP), o projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal em meados de abril.

O texto afirma que o motivo para a missa ser considerada patrimônio cultural é a aderência da comunidade de Juiz de Fora e também porque “as celebrações são reveladoras dos nossos modos, particulares ou comuns, de criar, fazer e viver pelo Brasil afora. Constituem espaços de sociabilidade, de afirmação de pertencimento, de formação e reprodução social. O fato de fazerem sentido para diferentes grupos sociais no mundo”.

A Missa do Impossível, celebração que se tornou tradicional e é acompanhada por milhares de fiéis, começou a ser realizada em 2014 nas noites de terça-feira na Igreja de São José, localizada na Avenida Sete de Setembro. As celebrações são realizadas pelo padre Pierre Maurício de Almeida Cantarino.

O conteúdo continua após o anúncio

Em 2019, um encontro foi marcado no Sport Club e reuniu mais de 30 mil pessoas. A noite contou com momentos de oração e testemunhos e teve em seu início o terço da Batalha do Impossível.

Durante os anos de 2020 e 2021, as missas foram realizadas por meio de transmissões no YouTube. Nas ocasiões, o padre deu a bênção de forma on-line. O formato totalmente remoto foi adotado para garantir a segurança dos fiéis devido à pandemia de Covid-19.

Em março deste ano, entretanto, a Missa do Impossível voltou a ser realizada no pátio da Igreja São José, com a manutenção de protocolos de segurança por conta da pandemia.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia