Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Juiz de Fora registra forte tempestade e deixa ruas alagadas

Acumulado de precipitações entre a noite de quarta a madrugada desta quinta atingiu quase 19% do previsto para todo o mês de janeiro; Defesa Civil e Bombeiros atenderam a desabamento parcial de imóvel no Bairro Araújo


Por Tribuna

13/01/2022 às 08h35- Atualizada 13/01/2022 às 11h06

No Bairro Nova Era, trânsito ficou prejudicado entre a Rua General Almerindo da Silva Gomes e a a Avenida JK (Foto: Renan Ribero)

A noite de quarta-feira (12) e a madrugada desta quinta (13) foram de fortes chuvas em Juiz de Fora. A Zona Norte foi a mais atingida, de acordo com pluviômetros do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). Somente no Bairro Monte Castelo o dispositivo registrou 51 milímetros de chuvas. Em seguida, destaca-se o bairro São Judas Tadeu, com 47 milímetros. Pontos de alagamentos em vias públicas foram registrados, além do São Judas, nos bairros Nova Era, Benfica, São Damião, Distrito Industrial e São Judas Tadeu. Já no Araújo, a Defesa Civil atendeu a uma ocorrência de desabamento parcial em um imóvel.

Bairro Industrial voltou a alagar após a forte tempestade da madrugada (Foto: Gabriel Silva)

Segundo a Defesa Civil, foram 10 ocorrências entre a meia-noite e as 8h desta quinta-feira. Desse total, seis chamados foram na Zona Norte, três na Zona Sul e um na Zona Nordeste.

O desabamento parcial no Bairro Araújo aconteceu na Rua Álvaro da Silveira, pouco depois da meia-noite. Ninguém se feriu. Segundo o Corpo de Bombeiros, no local estavam 11 cachorros, que foram resgatados. Mãe e filho, moradores da casa, saíram do local antes do desabamento.

Na Zona Sul, um deslizamento de talude atingiu um restaurante na Avenida Deusdedit Salgado, na altura do Bairro Salvaterra. Segundo o Corpo de Bombeiros, todo o imóvel foi interditado e a Defesa Civil acionada, pois há riscos de novas quedas de barranco.

Deslizamento de talude atingiu restaurante na Zona Sul de Juiz de Fora (Foto: Corpo de Bombeiros)

Também há relatos de um barranco que cedeu e interrompeu o trânsito em ruas do Bairro Linhares, Zona Sudeste, e alagamentos que tornam intransitável a estrada de acesso a Caeté.

O conteúdo continua após o anúncio

Trânsito impedidos em vias da Zona Norte e Cidade Alta

Com as chuvas, o Acesso Norte voltou a ser interditado pela Secretaria de Mobilidade Urbana da Prefeitura de Juiz de Fora (SMU/PJF). Pontos de alagamentos impedem a passagem segura de veículos no local. A pasta municipal informou que a previsão é de que o trânsito volte a ser liberado ainda nesta quinta-feira, mas isso vai depender das condições meteorológicas.

Outro local que tem problemas no trânsito relacionado às chuvas é a Rua Monsenhor Gustavo Freire, no Bairro Dom Bosco, Cidade Alta. A via foi fechada ainda na segunda-feira (10) por conta de um deslizamento de terra. A expectativa da Prefeitura era que o material fosse retirado nesta quinta, após a estabilização do barranco. Entretanto, agora, a situação depende também de que o tempo fique firme por certo período.

Previsão do tempo em Juiz de Fora

Segundo o pluviômetro automático do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), instalado no campus da UFJF, choveu em Juiz de Fora de forma ininterrupta entre 22h e 5h, com acumulado de 60,6 milímetros. Este índice representa 18,9% de todas as precipitações previstas para janeiro na cidade, de acordo com a média histórica, que leva em consideração o comportamento das chuvas, no período, nos últimos 30 anos.

Com esta última tempestade, aliás, Juiz de Fora alcança, em 13 dias, 335 milímetros de precipitações em janeiro, acumulado que representa 104% dos 322 milímetros das chuvas esperadas para o mês

Chuva de verão
A pancada de chuva que atingiu Juiz de Fora entre a noite de quarta e a madrugada desta quinta-feira pode ser classificada como uma típica chuva de verão. Diferente das precipitações contínuas que eram observadas até então, fruto do canal de umidade que havia se formado entre o Norte e o Sudeste brasileiro, desta vez áreas de instabilidade são as responsáveis pelas tempestades.

Elas são resultado do calor diurno e a alta umidade relativa do ar. Por características, estas chuvas, mais concentradas, e pontualmente fortes, ocorrem, principalmente, a partir do fim da tarde. A previsão é que estas pancadas continuem acontecendo ao menos até o sábado (15).

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia