Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Transexual é encontrada morta em unidade de acolhimento

Óbito foi constatado por funcionários do local, mantido pela Adra, no Centro de Juiz de Fora


Por Tribuna

04/11/2019 às 09h18- Atualizada 04/11/2019 às 12h55

Uma transexual de 43 anos foi encontrada morta dentro de uma unidade de acolhimento, credenciada da Prefeitura, e mantida pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra). A casa, que fica na Rua Oswaldo Cruz, Centro de Juiz de Fora, tem capacidade para receber 50 pessoas diariamente e recebe mulheres, transexuais e famílias em trânsito.

O conteúdo continua após o anúncio

De acordo com a PM, o óbito foi percebido por volta das 6h desta segunda-feira (4), quando cuidadores foram acordar os assistidos e encontraram a vítima caída no chão. O Samu foi acionado e confirmou a morte. A PM também foi chamada para registrar o fato, assim como a perícia técnica da Polícia Civil. Conforme as autoridades, não havia sinais aparentes de violência no corpo, que foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). A causa da morte será apurada.

Em nota, a Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS) lamentou a morte da acolhida e informou que “presta apoio à família e se coloca à disposição dos órgãos responsáveis pela apuração do caso”.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia