Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

FAB expulsa ‘a bem da disciplina’ sargento preso com 39 kg de cocaína na Espanha

Manoel da Silva Rodrigues foi detido na Espanha em junho de 2019 em um dos aviões da FAB que dava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsonaro


Por Pepita Ortega e Fausto Macedo, Agência Estado

12/05/2022 às 18h42

A Força Aérea Brasileira informou nesta quinta-feira (12) ter excluído definitivamente de suas fileiras o sargento Manoel da Silva Rodrigues, que foi detido na Espanha, em junho de 2019, com 39 quilos de cocaína em um dos aviões da FAB que dava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsonaro (PL). Em fevereiro, o militar foi condenado pela Justiça Militar da União a 14 anos de seis meses de reclusão por tráfico internacional de drogas.

De acordo com a FAB, a exclusão do sargento, ‘a bem da disciplina’ e com perda de grau hierárquico, é decorrente do processo administrativo aberto logo após Manoel ser flagrado transportando a cocaína, para analisar a conduta do militar, ‘sob o prisma da ética militar’.

O conteúdo continua após o anúncio

Em nota, a Força Aérea alegou que o tempo decorrido até a efetiva expulsão de Manoel está ligado ao ‘cumprimento dos devidos trâmites administrativos de intimação do militar’. Ele está custodiado na Espanha desde sua prisão em flagrante, há quase três anos.

Em julgamento realizado em fevereiro, os integrantes do Conselho Permanente de Justiça para a Aeronáutica, por unanimidade, reconheceram que Manoel da Silva Rodrigues utilizou a estrutura da corporação para exportar dezenas de quilos de drogas. Além disso, o sargento possui uma condenação na Justiça espanhola, de 6 anos e um dia de prisão.

Desde a prisão do sargento, a Polícia Federal abriu cinco fases da Operação Quinta Coluna para investigar se outros militares foram cooptados por um esquema de tráfico internacional de drogas.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia