Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Governo do Estado busca parceiros para gestão do Hospital Regional

Por Paulo Cesar Magella

23/06/2021 às 18h39 - Atualizada 23/06/2021 às 18h39

O governo de Minas não tem uma fórmula pronta para definir o custeio dos hospitais regionais, cujas obras de conclusão estão no pacote de recursos oriundos do processo de indenização da Vale do Rio Doce por causa da tragédia de Brumadinho. Ao participar de modo virtual, nesta quarta-feira, de audiência especial promovida pela Câmara Municipal de Juiz de Fora, o secretário de Estado da Saúde, Fábio Baccheretti, destacou que o Governo do Estado pretende abrir licitação para a gestão do hospital. “A expectativa é que, além dos incentivos do estado, a gente consiga, dentro das pactuações, dos credenciamentos estaduais e das habilitações federais, que alguma fundação faça a gestão do hospital baseada em incentivos, habilitações e produção”. Segundo ele, alguns editais para a gestão de outros hospitais já foram lançados e, dentro dos critérios, têm prioridade fundações que, historicamente, entregam um atendimento de qualidade para a população.

O conteúdo continua após o anúncio

Para lideranças, hospital é estratégico na Saúde

Cerca de 200 lideranças, entre as quais prefeitos, vereadores e secretários municipais de saúde, estavam virtualmente na audiência. A maioria, em seus pronunciamentos, considera a finalização do projeto fundamental para atendimento à região. Do evento promovido pelo presidente da Câmara, Juraci Schefer, também participaram os deputados federais Júlio Delgado (PSB) e Charles Evangelista (PSL), os deputados estaduais Roberto Cupolillo (Betão-PT), Noraldino Júnior (PSC) e Sheila Oliveira (PSL). A prefeita Margarida Salomão foi representada pela secretária de Saúde, Ana Pimentel, o Conselho Municipal de Saúde pelo secretário executivo, Jorge Ramos, e a Ouvidoria de Saúde de Juiz de Fora, pela ouvidora Samantha Borchear.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia