Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Acordo eleitoral pode comprometer liderança de Silveira

Por Paulo Cesar Magella

20/01/2022 às 21h27 - Atualizada 20/01/2022 às 21h27

Suplente do senador Antônio Anastasia, que vai para o Tribunal de Contas da União, o presidente do PSD de Minas, Alexandre Silveira, toma posse no dia 2 de fevereiro, ocasião em que pode até assumir, de imediato, a liderança do governo Bolsonaro no Senado Federal. As conversas estão em curso, mas há alguns impedimentos. A legenda que preside deve ter o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, como candidato ao Governo de Minas, enfrentando o governador Romeu Zema, aliado do presidente da República. Além do mais, Kalil tem conversado com o ex-presidente Lula, e pode lhe dar palanque em Minas. Nessa condição, ficaria inviável a situação de Silveira.

O conteúdo continua após o anúncio
Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia