Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Reginaldo sai da disputa ao Senado e vai coordenar campanha de Lula em Minas

A presidente nacional do PT Gleisi Hoffmann confirmou Reginaldo como coordenador da campanha de Lula e Alckmin em Minas

Por Paulo Cesar Magella

17/05/2022 às 13h45 - Atualizada 17/05/2022 às 14h01

O impasse entre as candidaturas ao Senado de Alexandre Silveira (PSD) e Reginaldo Lopes (PT) abriu uma nova possibilidade de conversa entre os dois partidos. De acordo com os bastidores, o candidato a governador, Alexandre Kalil, e o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, já teriam levado o novo cenário ao ex-presidente Lula. Em vez do Senado, Reginaldo deve assumir a coordenação geral da campanha em Minas, enquanto outro nome, provavelmente o deputado André Quintão, seria convidado a ser vice na chapa de Kalil, o que implicaria na remoção do deputado Agostinho Patrus da disputa. Não há nada decidido, mas, ante a intransigência de Silveira em tentar a reeleição, foi o único caminho encontrado. A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, em postagem nas redes sociais, confirmou Reginaldo como coordenador da campanha de Lula e Alckmin em Minas. O que não se sabe, ainda, é se ele vai tentar a reeleição como deputado federal – projeto do qual já havia desistido.

O conteúdo continua após o anúncio

Vaga no TCE pode ser o futuro de Patrus

Fora do páreo, o deputado Agostinho Patrus pode ressuscitar uma discussão que passa pelos bastidores da Assembleia. A despeito de uma lista de quatro candidatos, ele seria o nome apresentado ao plenário para ocupar a vaga do conselheiro Sebastião Helvécio – aposentado desde o ano passado – no Tribunal de Contas do Estado. Até agora, a vaga, na cota da Assembleia, está desocupada.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia