Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Janela partidária, em março, pode alterar quadro de candidaturas

Por Paulo Cesar Magella

15/01/2022 às 13h00 - Atualizada 14/01/2022 às 14h45

Passado o período de férias e na iminência de abertura da janela partidária, os partidos começam a discutir a formação de chapas de candidatos à Câmara e à Assembleia, embora as convenções só comecem no segundo semestre do ano. Na maioria das legendas, o cenário é de pouca turbulência, por não haver confronto de candidaturas. Os atuais parlamentares vão tentar a reeleição e entre os vereadores a definição só vai ocorrer no final de março, quando muitos – de acordo com as estratégias de cada legenda – podem até mudar de partido.

O conteúdo continua após o anúncio

Disputa entre pré-candidatos só ocorre no PT

O único ponto de tensão tem sido no Partido dos Trabalhadores, mesmo assim apenas na disputa federal. Enquanto o deputado Roberto Cupollilo deve ter uma candidatura sem concorrentes locais, na busca de uma cadeira na Câmara a questão envolve o presidente da Câmara, Juraci Scheffer, e a secretária de Saúde, Ana Pimentel. Ambos cobram uma definição do partido que ainda não indicou sua opção. Dentro da própria legenda já há cobranças para que a matéria entre na pauta para evitar desgastes posteriores.

Prioridade de Margarida é enfrentar os efeitos das chuvas

A dúvida é a participação direta da prefeita Margarida Salomão nessa etapa de conversações. A situação da cidade no período das chuvas, e mesmo com a estiagem, tem sido a prioridade da chefe do Governo. No seu entorno há consenso de que resolver as demandas da população afetada pelas tempestades é o foco a ser atacado, não vendo sentido, agora, a sua participação nas conversas. Aliás, problemas não faltam, sobretudo por conta de inundações. A cidade vai precisar de recursos do Estado e da União para resolver esses gargalos e a busca do dinheiro demanda articulação e tempo da chefe do Governo.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia