Projeto que equipara as penas por aborto às de homicídio encontra resistência nas redes sociais

Projeto do deputado Sóstenes Cavalcanti recebe críticas nas redes sociais

Por Paulo Cesar Magella

O projeto de autoria do deputado Sóstenes Cavalcanti, equiparando o aborto a homicídio, está encontrando forte reação nas redes sociais. Ele altera artigos do Código Penal e diz que “quando houver viabilidade fetal, presumida gestações acima de 22 semanas, as penas serão aplicadas conforme o delito de homicídio simples previsto no art. 121 deste Código”. A matéria está avançando na Câmara, mas, de acordo com monitoramento da Quaestpesquisa, no dia 12, 52% das 1.14 milhões postagens eram contra a matéria. Somente 16% estavam a favor e 32% se consideravam neutros na discussão.

Pesquisa vê oscilação, mas levantamento nas redes sociais só durou metade do dia

No dia 13, a rejeição subiu para 53% enquanto a aprovação caiu para 14%. Por sua vez, 34% se abstiveram no tema. Nesta sexta-feira, os pesquisadores constataram que 51% estão contra o projeto e 17% são favoráveis. 32% são neutros. Mas o pesquisador Felipe Nunes observa que os dados, neste dia 14, foram coletados até as 13h30.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Sou da primeira geração da Tribuna, onde ingressei em 1981 - ano de fundação do jornal -, já tendo exercido as funções de editor de política, editor de economia, secretário de redação e, desde 1995, editor geral. Além de jornalista, sou bacharel em Direito e Filosofia. Também sou radialista Meus hobbies são leitura, gastronomia - não como frango, pasmem - esportes (Flamengo até morrer), encontro com amigos, de preferência nos botequins. E-mail: [email protected] [email protected]

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também