Cresce a aprovação do Governo Lula, diz Pesquisa Genial/Quaest

Pesquisa Genial/Quaest foi realizada entre 5 e 8 de julho por meio de entrevistas presenciais

Por Paulo Cesar Magella

A aprovação do governo Lula voltou a subir, de acordo com Pesquisa Genial/Quaest publicada nesta quarta-feira. Ela atinge 54% e a desaprovação 43%. Este é o melhor resultado de aprovação do governo no ano, idêntico ao que se observava em dez/23. De acordo o coordenador da pesquisa professor Felipe Nunes “o desempenho positivo foi puxado especialmente pela melhora entre quem tem renda familiar de até 2 salários: a aprovação foi de 62% para 69%, enquanto a desaprovação foi de 35% para 26%. Nos outros estratos de renda não houve variação significativa.”

Aprovação também melhorou entre as mulheres, diz a Genial/Quaest

A Genial/Quaest também constatou que a aprovação do Governo melhorou entre as mulheres. No começo do ano, a diferença entre aprovação e desaprovação era de apenas 6 pontos; em julho, essa diferença triplicou e foi para 18 pontos. Entre os homens, permanece um empate técnico dentro da margem de erro. Até entre os evangélicos – um público normalmente crítico ao Governo Lula – a aprovação melhorou. Em fevereiro a desaprovação era 27 pontos maior que a aprovação nesse segmento. Em julho deste ano, a diferença caiu para 10 pontos. A vantagem do governo Lula entre católicos continua alta, na média, estável em 60 x 40.

Sudeste já tem empate entre aprovação e desaprovação, de acordo com a Genial/Quaest

Felipe Nunes destaca que a variação na aprovação não veio do Nordeste, onde o governo continua com aprovação média próxima aos 70%, nem do Sul. “A variação parece ter sido no Sudeste, já que a desaprovação que era 7 pontos maior que a aprovação em maio, ficou do mesmo tamanho em julho. Embora seja impossível determinar uma única razão para o crescimento na aprovação do governo, a melhora na percepção da economia entre os mais pobres (diferença entre melhorou e piorou saiu de -1 para +13 entre fevereiro e julho sugere que uma parte da explicação possa estar ai”, destacou.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Sou da primeira geração da Tribuna, onde ingressei em 1981 - ano de fundação do jornal -, já tendo exercido as funções de editor de política, editor de economia, secretário de redação e, desde 1995, editor geral. Além de jornalista, sou bacharel em Direito e Filosofia. Também sou radialista Meus hobbies são leitura, gastronomia - não como frango, pasmem - esportes (Flamengo até morrer), encontro com amigos, de preferência nos botequins. E-mail: [email protected] [email protected]

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também