Pacheco apresenta projeto para tratar da dívida dos estados

Pelo projeto, a dívida dos estados poderia ser amortizada também a transferência de ativos para a União

Por Paulo Cesar Magella

O senador Rodrigo Pacheco apresentou ontem um projeto de Lei Complementar para tratar da dívida dos estados com a União. A medida, segundo ele, elimina o principal problema entre as partes, envolvendo bilhões de reais. O antigo modelo de Regime de Recuperação Fiscal, no seu entendimento, causa sacrifícios para os estados por gerar dívidas impagáveis. O senador não concorda com a venda de ativos, como Minas chegou a elaborar com a privatização da Cemig, da Copasa e da Codemig. Ele defende a federalização, isto é, com transferência desses ativos para a União.

Apoio de Tadeu, mas Regime de Recuperação continua na pauta da Assembleia

O presidente da Assembleia, Tadeu Leite, gostou do Projeto de Lei Complementar apresentado pelo senador Rodrigo Pacheco, que trata da dívida dos estados, por considerá-lo bem melhor do que o Regime de Recuperação que está tramitando. Em entrevista, ele disse que, apesar disso, não pretende tirá-lo da pauta, pelo menos por enquanto, já que o STF deve dar um parecer adiando mais uma vez o pagamento da dívida, cuja parcela vence já no dia 20 deste mês.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Sou da primeira geração da Tribuna, onde ingressei em 1981 - ano de fundação do jornal -, já tendo exercido as funções de editor de política, editor de economia, secretário de redação e, desde 1995, editor geral. Além de jornalista, sou bacharel em Direito e Filosofia. Também sou radialista Meus hobbies são leitura, gastronomia - não como frango, pasmem - esportes (Flamengo até morrer), encontro com amigos, de preferência nos botequins. E-mail: [email protected] [email protected]

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também