Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Exceção e regra


Por Renato Salles

31/07/2020 às 07h00

A primeira zebra do futebol brasileiro pós-pandemia zurrou na última quarta-feira, quando o Mirassol despachou o São Paulo nas quartas de final do Campeonato Paulista em pleno Morumbi. Aliás, quase todo ano temos uma dessas no Paulistão. Até aí, nada de novo. A novidade é o contexto, assim como tudo que estamos vivenciando neste momento de exceções.

A história do Mirassol nesta retomada é bem a cara dos improvisos que estamos sendo obrigados a colocar em prática em um mundo que o risco parece sempre estar logo ali do lado. Artilheiro da classificação, o atacante Zé Roberto não planejava estar em campo três dias antes. Foi convencido no domingo, treinou um dia e marcou duas vezes na vitória por 3 a 2 do clube do interior.

Além de improvável, a história fora da curva de Zé Roberto ajuda a entender a regra de nossos clubes no momento. Exigir e esperar um bom futebol a curto prazo – tipo, no mês de agosto, por exemplo – é pensar com a cabeça de um mundo que já foi. Ainda estamos em uma pré-temporada que deve se alongar. Os quatro meses distantes dos jogos trarão um peso para os atletas que só vamos compreender ao longo do processo.

O conteúdo continua após o anúncio

Nos jogos que acompanhei neste meio tempo até aqui, de times cariocas e paulistas, ficou fácil perceber que a falta de ritmo de jogo, tempo de bola e de confiança é geral. A sensação que tive é de que temos elencos inteiros pisando na grama como se estivessem retornando de lesão. Freio de mão puxado para geral.

Com isso, de forma, o que temos assistido até aqui são jogos equilibrados. Nem mesmo os badalados elencos de Flamengo e Palmeiras, por exemplo, sobraram em seus jogos. Em especial, nos decisivos. Sem a torcida, o espetáculo fica ainda mais modorrento.

Os reflexos da pandemia têm resultado em jogos pouco atrativos. Chatos mesmo. É exatamente neste ponto em que todas as exceções do atual momento se encontram com a regra vista no futebol brasileiro nos últimos anos. Salvo raras exceções, já faltava brilho em nossos gramado antes da pandemia.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia