Regulamentação dos Jogos de Azar: Opiniões e Benefícios

Descubra como a regulamentação dos jogos de azar no Brasil pode gerar empregos, melhorar a economia e proteger os jogadores

Por Marketing e Negócios

Jogos e
(Foto: Pexels)

A regulamentação dos jogos de azar no Brasil tem gerado diversas opiniões entre a população, mas ao que tudo indica, os brasileiros em sua maioria são favoráveis a essa medida. 

Criar leis que estabelecem direitos e deveres para este setor é visto como uma oportunidade significativa para o crescimento econômico e social do país, proporcionando criação de empregos, contribuindo para o desenvolvimento econômico e ajudando a prevenir problemas relacionados ao jogo excessivo.

Quais os Principais Benefícios em Regulamentar os Jogos de Azar no Brasil?

Um dos principais argumentos a favor da regulamentação dos jogos de azar é a potencial criação de empregos. A legalização e regulamentação poderiam abrir portas para diversas oportunidades de trabalho, desde posições em cassinos e casas de apostas até empregos em setores de suporte como segurança, manutenção, serviços administrativos e suporte ao cliente. 

Neste sentido, em pesquisa feita pela empresa ENV Media com jogadores brasileiros, 76% dos entrevistados acreditam que a indústria de iGaming pode impulsionar as finanças do Brasil e oferecer oportunidades de emprego:

Grafico pesquisa

Além da criação de empregos, a regulamentação dos jogos de azar pode ter um impacto econômico positivo significativo. Com a legalização, o governo pode arrecadar impostos que antes não eram coletados, aumentando a receita pública. Estes recursos podem ser direcionados para áreas essenciais como saúde, educação e infraestrutura.

Ainda de acordo com a mesma pesquisa realizada pela ENV Media, uma esmagadora maioria de 87% dos entrevistados considera o registro, o licenciamento e a tributação de empresas importantes:

WhatsApp Image 2024 07 10 at 17.01.31

Sobre este tópico, os senadores federais citam números de cerca de R$ 10 bilhões anuais, além de R$ 3 a 4 bilhões a cada cinco anos para taxas de licenciamento. Isso representa cerca de US$ 2,2 bilhões em receitas fiscais anuais

Em países onde os jogos de azar são regulamentados, é notável também o aumento no turismo, já que cassinos e resorts atraem visitantes tanto nacionais quanto internacionais, gerando ainda mais receita para a economia local. 

A regulamentação também é vista como uma maneira essencial de prevenir o jogo compulsivo. Com leis claras e regulamentações rigorosas, é possível implementar medidas de proteção aos jogadores eficazes como limites de apostas, programas de autoexclusão e campanhas de conscientização sobre os riscos do jogo excessivo. 

Isso não apenas ajudaria a minimizar a percepção negativa associada ao setor, como também auxiliaria a combater o vício em jogos de azar, oferecendo apoio aos que precisam de forma segura e confiável.

Além disso, ao regularizar este mercado, as atividades e serviços ligados aos cassinos onlines, como pagamentos, depósitos, saques e até mesmo o simples ato de apostar, se tornariam mais confiáveis ao público, justamente porque eles saberiam que estão sendo resguardados pela lei. 

Nesse sentido, dados do 7JP, um cassino online que conduziu recentemente uma pesquisa envolvendo métodos de pagamento, mostram que 74% dos jogadores brasileiros consideram a segurança como a variável mais importante ao escolher um método, seguida pela velocidade (42%) e conveniência/praticidade (40%). 

Isso mostra o quanto é essencial ter uma legislação que englobe todas as questões levantadas por este setor, para que todos aqueles que participam dele possam se sentir em um ambiente seguro. 

É fato que a regulamentação de jogos de azar no país é uma medida que pode trazer inúmeros benefícios econômicos e sociais. Com a criação de empregos, aumento da receita pública e medidas de proteção aos jogadores, a legalização desse setor pode contribuir significativamente para o desenvolvimento do país, mostrando-se como um grande benefício para os cidadãos brasileiros. 

Tribuna

Tribuna

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também