Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

A diversidade faz bem para os negócios

Falar de diversidade é falar de pluralidade. Um grupo de pessoas plurais é formado por diferentes gêneros, etnias, idades, crenças religiosas e outras características que possuem vivências distintas e se complementam.

Por Jomara Costa

26/11/2021 às 11h46 - Atualizada 26/11/2021 às 11h46

A temática da diversidade vem ocupando cada dia mais espaço, e hoje ela também chegou ao mundo corporativo A diversidade dentro do espaço de trabalho representa que a organização emprega um time diverso de pessoas que refletem a sociedade existente. Não é apenas criar um espaço para pessoas de diferentes culturas e ideias, mas trazer resultados com isso: gestão de riscos, oportunidades para a inovação e aumento da conexão e engajamento dos colaboradores. 

Falar de diversidade é falar de pluralidade. Um grupo de pessoas plurais é formado por diferentes gêneros, etnias, idades, crenças religiosas e etc. O famoso “pensar fora da caixa” é justamente pensar fora do usual, e isso deixa de ser algo tão difícil de alcançar quando temos pessoas diferentes, que possuem vivências distintas e se complementam. A riqueza de ideias e percepções, abre portas para possibilidades na solução de problemas e condução de atividades. 

Obviamente existem algumas políticas públicas que obrigam as empresas a determinadas ações de inclusão, como contratação de pessoas com deficiência em empresas acima de 100 colaboradores. Mas além dessa obrigação legal, a própria sociedade opta por consumir marcas que apoiam a diversidade, inclusivas e com responsabilidade social e ambiental expressas. Esses posicionamentos se tornam um importante diferencial competitivo no mercado, ainda mais em uma época de ampla concorrência.

A diversidade se faz necessária para promover um âmbito de maior igualdade, criatividade e sucesso. A empresa precisa, genuinamente, abrir espaço para a inovação e valorizar a inclusão da diversidade, para que isso esteja integrado com a cultura organizacional e dos colaboradores.

O conteúdo continua após o anúncio

Desde 2014 existem pesquisas (Como o relatório Delivering Through Diversity, realizada pela McKinsey & Company) que mostram que empresas com diversidade de gênero mais ampla e aceita em suas equipes de decisão estratégicas e operacionais, eram 15% mais propensas a ter uma rentabilidade acima da média do que suas concorrências. E, no ano passado, empresas com menor diversidade étnica e de gênero seriam 29% menos propensas à rentabilidade do que outras empresas.

Grandes marcas como a Salesforce compreenderam a necessidade de projetos focados para diversidade e vem se adaptando. A Salesforce é uma empresa de software que foca na solução de gerenciamento de relacionamento com clientes, tendo reconhecimento mundial pelo seu sistema. O CEO da Salesforce, Marc Benioff, anunciou publicamente o objetivo de contratações focadas em igualdade de gênero e foi a primeira empresa a contratar um diretor para uma posição focada em Diversidade & Inclusão.

Essas iniciativas também são praticadas por empresas brasileiras, o Magazine Luiza, por exemplo, passou recentemente por uma grande reestruturação para buscar melhores estratégias de posicionamento e vendas, e uma das mudanças adotadas nessa reestruturação foi uma política de contratação voltada à inclusão e diversidade.

Entender esses desafios e refletir sobre esses temas é essencial para manter nossa empresa competitiva no mercado, ainda mais diante de um mundo em constante evolução e com alta concorrência.

Grupo Larch

Grupo Larch

Estratégias, processos, capital humano, tecnologia. Muito mais que uma consultoria empresarial, o Grupo Larch hoje é um parceiro de negócios que contribui para que empresas e seus líderes encarem seus desafios e encontrem os melhores caminhos.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia