Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

A Inteligência Emocional como primeiro passo para uma carreira de sucesso

Algumas pesquisas apontam que profissionais com melhor performance também apresentam maior nível de Inteligência Emocional. Você conhece esse conceito e sabe como utilizar para desenvolver sua carreira?

Por Marcelle Larcher

25/08/2021 às 16h03 - Atualizada 27/08/2021 às 11h18

No início do mês de agosto nos despedimos dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Foi uma edição diferente, sem o calor do público que estávamos acostumados a ver e sentir em edições anteriores. Tudo isso em decorrência das restrições e distanciamento social.

Dentre tantos fatos, histórias e acontecimentos marcantes ocorridos em duas semanas de evento, um fato em específico surpreendeu a todos e, ao mesmo tempo, escancarou de vez a importância do autoconhecimento, principalmente no que tange nossos limites pessoais e saúde mental.

Cotada para ser o nome dessas Olimpíadas, a ginasta norte americana Simone Biles, tomou uma corajosa e difícil decisão: desistir da competição para dar prioridade à sua saúde mental.

Em entrevista concedida à imprensa mundial após o anúncio da sua desistência, a atleta se justificou dizendo que, primeiro, era preciso se concentrar no seu bem-estar, pois havia uma vida além da ginástica.

A declaração de Biles teve grande repercussão em todo o mundo e nos trouxe muitas reflexões, principalmente quando pensamos sobre a nossa realidade profissional. Você já parou para pensar que desistir não significa derrota ou fracasso, mas sim uma estratégia inteligente para que a construção da sua carreira possa ser mais prazerosa?

Inteligência emocional como aliada ao trabalho e carreira

Para que a sua carreira profissional possa ser moldada em bases sólidas, existe uma habilidade que é essencial para este processo. Ela se chama inteligência emocional.

Biologicamente, o que ocorre é que o lado emocional do cérebro funciona mais rapidamente do que o lado racional. Ou seja, enquanto estamos agindo no calor da emoção, nossa razão ainda está processando e analisando o fato.

A partir do momento que começamos a perceber que somos movidos principalmente pelos sentimentos, é que vemos a necessidade de entender os pilares da Inteligência Emocional.

De acordo com dados do Fórum Econômico Mundial, a Inteligência Emocional está entre o top 10 de habilidades necessárias para alcançar o sucesso no mercado de trabalho, e é responsável por mais de 58% do desempenho dos profissionais.

Ser uma pessoa com uma inteligência emocional bem desenvolvida não significa anular suas emoções, mas ter um maior conhecimento e domínio delas, sendo capaz de manter-se emocionalmente constante e focado na resolução de problemas, sabendo reconhecer e gerenciar suas emoções diante de imprevistos, conflitos e situações de estresse.

Mas só é possível controlar aquilo que conhecemos e sentimos. Um alto nível de inteligência emocional significa entender justamente isso, tendo a capacidade de saber o que fazer com esse sentimento.

O conteúdo continua após o anúncio

Dessa forma passamos a fazer escolhas mais conscientes, além de compreender as emoções de outras pessoas, construindo relações e interações mais saudáveis.

Desenvolver essa habilidade faz toda a diferença para qualquer pessoa que deseja crescer em sua carreia profissional e atender às atuais demandas do mercado de trabalho, que está cada vez mais complexo, repleto de mudanças e incertezas.

O profissional que sabe administrar as próprias emoções, sobretudo aquelas negativas e limitantes, consegue atravessar com muito mais tranquilidade cenários difíceis e complexos. E pessoas emocionalmente inteligentes são mais confiantes e motivadas, são capazes de avaliar constantemente suas atitudes e pensamentos, se relacionam de maneira mais equilibrada e são capazes de encarar situações difíceis com mais facilidade, possuindo grande capacidade de superação.

Desenvolvendo a Inteligência Emocional

Para desenvolver a sua inteligência emocional, é importante contar com a ajuda de alguns profissionais, principalmente nas áreas de comportamento humano. No entanto, também é possível começar a mudança pela forma como você encara seus sentimentos, e para isso é preciso ter:

  • Autoconhecimento emocional: reconhecer o que sentimos é fundamental neste processo. É necessário identificar nossos sentimentos de uma forma racional, analisando o contexto em que eles se manifestam e quais são nossos pensamentos e atitudes diante deles.
  • Autogestão das emoções: após identificar essas emoções, é importante identificar qual gatilho mental desencadeou esse sentimento, um momento de tensão, estresse, felicidade, tristeza? Aqui compreendemos qual foi o processo de atribuição de sentido, ou seja, de interpretação que você, automaticamente, dá a determinada situação. Dessa forma tentamos buscar quais outras possibilidades de interpretações poderiam ocorrer, elaborando alternativas de como podemos lidar com elas.
  • Empatia: mais do que uma palavra que está na moda, saber desenvolver o nosso olhar sob a perspectiva do outro é essencial para lidar com o que sentimos. Ser empático e ter compaixão diminui a tendência de julgar os outros, melhorando nossos relacionamentos e nossa relação com o mundo. Isto ajuda a tornar nossas relações mais leves e sem tantas cobranças.
  • Pensamentos positivos: a melhor maneira de lidar com emoções negativas é, inicialmente se permitir senti-las, e depois decidir o que faremos com elas. É muito pior quando não nos permitimos sentir, e por isso precisamos aceitá-las. Outro fator que nos ajuda neste processo é sempre buscar pensamentos positivos, principalmente quando estamos diante de novos desafios.
  • Relacionamento Interpessoal: Praticando a empatia e tendo boas relações com outras pessoas, somos capazes de criar um ambiente positivo e receptivo a nossa volta, melhorando não só a nossa própria qualidade de vida, mas também contagiando as pessoas que estejam ao nosso redor.

A inteligência emocional é uma habilidade importante que deve ser desenvolvida por todas as pessoas. Porém, trata-se de um processo que demanda tempo. E, além disso, é preciso ter calma, paciência e, principalmente, treino.

Em momentos de crise, pressão ou estresse, manter a calma é fundamental para conseguirmos assumir o controle das nossas emoções e nos manter concentrados. O mundo não para, e precisamos saber como continuar na ativa mesmo quando nossas emoções tentam dizer o contrário.

Nossa mente é cheia de distrações, e muitas vezes acabamos fazendo coisas ordinariamente, sem prestar atenção no que acontece naquele momento ou no que, de fato, precisamos para nos manter focados.

Pense que você é um atleta olímpico, como Simone Biles. Para ela chegar aonde ela chegou, sem dúvida, foi necessário muita dedicação, motivação, otimismo e prática dentro do ginásio. E, ao longo dessa trajetória, algumas pausas que foram fundamentais para que ela pudesse respirar e ganhar forças para continuar.

Podemos até não ser ginastas, mas também possuímos desafios e momentos difíceis, que necessitam de uma reflexão e amadurecimento maior, e para isso precisamos entender nossas emoções, saber lidar com elas, e buscar motivações.

 

Grupo Larch

Grupo Larch

Estratégias, processos, capital humano, tecnologia. Muito mais que uma consultoria empresarial, o Grupo Larch hoje é um parceiro de negócios que contribui para que empresas e seus líderes encarem seus desafios e encontrem os melhores caminhos.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia