Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Isso é fundo de quintal

Botequim num quintal no Bairro Nossa Senhora Aparecida traz de volta o clima de reunião familiar

Por Butecos de JF

21/10/2021 às 07h01 - Atualizada 21/10/2021 às 07h01

O Bar do Haroldo é um dos raros locais que conheço que oferece aos clientes um ambiente especial, um quintal, como opção para que fiquemos bem à vontade tomando nossa cerveja e petiscando. A história do bar começou há 30 anos, mas somente nos três últimos ele adotou esse espaço para receber os seus amigos e clientes, e acertou em cheio nessa opção muitíssimo agradável. Isso porque aquele lugar era cuidado pela mãe do Haroldo, que por lá deixou plantas, canteiros, decoração e tudo que um quintal familiar pode ter, e o Haroldo manteve a memória da Dona Dalva preservada nesses itens, somente inserindo por lá algumas mesas de carretel, uma TV para vermos jogos de futebol, um sistema de som para tocar os mais de 4 mil CDs e DVDs de sua coleção particular – outra peculiaridade do lugar – alguns itens de decoração, como placas, quadros e pôsteres, e uma bela churrasqueira entregando que, por ali, os amigos se encontram e podem realmente confraternizar “queimando uma carne”, como fazemos nos quintais de casa.

O conteúdo continua após o anúncio


O lugar é incrível e nos faz ficar observando os detalhes por longos minutos entre uma cerveja e outra, ou entre um cacarejar e outro: sim, tem um galinheiro lá nos fundos! Afinal, é um quintal, né, gente! Também tem um coelho por lá, o Zé, mas esse é o animal de estimação do Haroldo, então não me venha prosear sobre receitas para o bicho, por gentileza! De estimação também é a Kombi que fica estacionada na porta do bar, xodó do dono e que chama a atenção de quem passa pela rua: conservadíssima, conta com pneus tala larga, volante do VW Ônix, direção elétrica, freio a disco nas quatro rodas e, completando a descrição do dono, “um cavalo na direção e 111 no motor”. Causos do Haroldo contados entre uma cerveja e outra que chega à mesa pelas mãos desse autêntico dono de botequim.


Mas voltemos para dentro do bar, seguindo pelo corredor da entrada que, para os distraídos que passam pela rua, não sugere que há por ali um espaço tão atrativo. O lugar conta com uma estufa que sempre está preenchida com torresmo, bolinhos de carne e salgadinhos. Na parte da tarde, a cozinheira chega ao bar e as porções e espetinhos podem ser pedidos: tilápia, filé com fritas, meio da asa, fígado de boi, espetinhos variados acompanhados de farofinha e, na quinta-feira, um pé de porco que é bastante requisitado pelos clientes cativos do quintal, como o Zé Antonio, o Pedro, o Wesney e o Kleyton – que foi quem me apresentou o lugar e a quem devo gratidão eterna por isso – e tantos outros clientes que sempre se encontram por lá e vão formando essa família de boteco que conversa sobre qualquer assunto, divide porções e histórias, acende a churrasqueira e prestigia esse grande sujeito que é o Haroldo, que nos dá o privilégio de frequentar o quintal de sua casa, ou bar, e aproveitar aquele lugar tão valioso pra ele e para todos nós também. Obrigado por isso Haroldo!
Conheça o Quintal do Haroldo: o bar fica no Bairro Nossa Senhora Aparecida, bem próximo à praça do bairro. Para os mais antigos, a referência é a quadra da Unidos do Grizzu; fica logo ao lado. Anote aí o endereço e visite o lugar: Rua Luiz Creosol 23. Joga no Waze e apareça por lá você também.

Butecos de JF

Butecos de JF

Airton Soares é gestor público por formação acadêmica mas, por opção e gosto, é conhecido como apreciador da cozinha de raiz, com experiência comprovada e acumulada na cintura. Já foi jurado do Comida di Buteco, é colunista do Tribuna de Minas, tem programa na rádio Transamérica JF e é dono da fanpage @butecosdejf, onde conta com mais de 100 mil seguidores que acompanham as dicas e comentários sobre comidas, bebidas e bares desse rotundo entusiasta da culinária simples e saborosa, segundo ele, a mais gostosa de todas!

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia