Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Quando morre um artista

Por Wendell Guiducci

29/03/2022 às 07h00 - Atualizada 28/03/2022 às 08h32

Quando morre um artista, apagam-se as lâmpadas em sua casa. Fecham-se as cortinas. Amuam-se os cães e os pássaros entram em respeitosa quietude. Cessam as visitas.
Por algum tempo há silêncio e consternação.
Então velas são acesas e a escuridão da casa dá lugar a um aconchegante entardecer, como se a noite súbita e violenta regredisse a crepúsculo. Não pode haver escuridão na casa do artista, pois a luz de que ele é feito não se extingue.
Após o golpe fatal, iluminada pelas dezenas centenas milhares milhões de pequenas chamas, a casa do artista principia a desvelar suas marcas. Surgem poemas em caderninhos sobre o aparador da sala. Das gavetas personagens declamam monólogos. O ar se enche de música, figuras dançam nas paredes.
No murmúrio das coisas belas, as lâmpadas são lentamente acesas e as cortinas se abrem mais uma vez. A casa do artista é ensolarada por sua própria luz, que após breve luto, irradia.
E nós, que também habitamos a casa do artista, somos lembrados de que a arte é o mais perto que se pode chegar de alguma eternidade.

O conteúdo continua após o anúncio
Wendell Guiducci

Wendell Guiducci

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia