Tópicos em alta: chuva / cerveja contaminada / carnaval / polícia / eleições 2020 / bolsonaro

Bastiões

Por Wendell Guiducci

24/12/2019 às 07h15 - Atualizada 23/12/2019 às 08h56

Um Bastião sobe a Rua Antônio Passarela.

(o mesmo vento que me empurrava na Avenida Rio Branco nos crepúsculos solitários voltando das cabines da Telemig após telefonar para a Mãe faz curva na Independência?)

Leva sob o braço direito duas almofadas: uma já foi futon de madame de ioga, outro, amostra de colchão Castor.

Pelo braço esquerdo conduz uma Bastiana, olhos vendados para não antever surpresa. Tilintam taças nos apartamentos envidraçados, o rugir de carros atrasados ecoando nas ruas vazias. Um motoboy que não verá o novo ano. No cemitério, flores frescas morrem lentamente na noite abafada.

Um Bastião dispõe os assentos e acomoda a amásia. Retira-lhe suavemente o paninho que lhe tapava as vistas. O rosto dela se ilumina ao tremeluzir de velas.

O conteúdo continua após o anúncio

Uma vermelha.

Outra preta.

Seus olhos riem. E fazem força para segurar a enxurrada salmoura que vem lá de dentro.

A ceia é farta. Uma garrafa de sidra. Corote hoje não. Frutas vermelhas e amarelas e verdes, ah, arco-íris nutritivo. Muita maçã para pouco dente, mas quem liga? Até chocolate Lollo e bala toffee, o luxo! E ao centro, prato principal, dourado frango assado cercado de farofa. E um charuto para o bem depois.

Antes de degustarem o banquete finamente disposto na esquina da Passarela com a Mamoré, um Bastião e uma Bastiana fazem sua oração. É preciso agradecer ao Bom Menino, que em poucas horas virá mais uma vez ao mundo para salvar os homens deles mesmos.

Wendell Guiducci

Wendell Guiducci

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia