Rádio de pilha

Por Wendell Guiducci

Outro dia um homem com cabeça de peixe descia a Alameda Prefeito Francisco Antônio de Mello Reis ouvindo um rádio de pilha. Trazia o transistorizado bem junto à cabeçorra, entre a guelra e o olhão arregalado. Embora meu interesse ictiológico se resuma a aspectos gastronômicos dos peixes, me parecia ser uma cabeça de tilápia. Mas como não avalio as pessoas pelo formato de suas cabeças e mais pelo que vai dentro delas, dei pouca importância à questão anatômica.
Uma pessoa caminhando pela Mello Reis não é algo exatamente raro, mas também não é coisa das mais corriqueiras. Praticamente não há calçada. Subindo ali para as bandas do que meus colegas costumam chamar ironicamente de “Cinturão da Riqueza” – a Cidade Alta, como um todo -, não parece ser muito importante dar aos pedestres boas condições de locomoção, pois os moradores todos têm carros. E mais de um. Ou três. Os a pé, grupo formado essencialmente por empregadas domésticas e serventes de pedreiro mal servidos pelo transporte público, que se virem disputando espaço com os carros na pista de rolamento.
De modos que uma pessoa andando a pé na Mello Reis sempre chama atenção. Ainda mais se estiver ouvindo rádio de pilha. Antenado leitor, quem hoje em dia escuta rádio de pilha? Mais: onde se pode comprar um rádio de pilha? Fosse na década de 1950, quando foi inventado, vá lá (acreditem, jovens, os conceitos de portabilidade e mobilidade nas tecnologias de informação e comunicação não nasceram com os smartphones). Ou mesmo nas décadas subsequentes do século XX, mas em junho de 2024? Causa espécie, como diria um certo ministro do Supremo com problemas de coluna, ora aposentado.
Não prestei muita atenção ao caminhante, visto que eu acelerava minha motocicleta morro abaixo na supracitada alameda. Todavia seu breve avistamento, num flagrante de rabo de olho através da viseira do capacete, foi o suficiente para levantar essas questões. O problema da mobilidade dos pedestres na Mello Reis. O uso de um rádio de pilha transistorizado por um cidadão em marcha ao largo do Parque da Lajinha, trazendo o aparelho juntinho da reluzente cabeçona. Mas o que saberei eu, que ignorava até que peixe tinha ouvido?

Wendell Guiducci

Wendell Guiducci

Wendell Guiducci é jornalista formado pela Faculdade de Comunicação da UFJF, mestre e doutor em Estudos Literários pela mesma instituição. Na Tribuna, atuou como repórter de cultura e foi editor de internet, de esporte e do Caderno Dois. Natural de Ubá, hoje desempenha o papel de editor de integração da Tribuna e assina, todas as terças-feiras, a coluna de crônicas "Cronimétricas". Lecionou jornalismo, como professor substituto, na Faculdade de Comunicação da UFJF entre 2017 e 2019, e entre 2021 e 2022. É autor dos livros de minificções "Curto & osso" e "Suíte cemitério". Também é cantor da banda de rock Martiataka e organiza sua agenda rigorosamente de acordo com os horários de jogos do Flamengo. Instagram: @delguiducci

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também