Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Criatividade: a importância dessa habilidade profissional no mercado de trabalho

A criatividade é uma habilidade comportamental e de acordo com o Fórum Econômico Mundial, ela é uma das 10 soft skills mais valorizadas por grandes corporações.

Por Marcelle Larcher

22/04/2022 às 14h21 - Atualizada 25/04/2022 às 07h39

Se você parasse agora para avaliar o seu desempenho profissional, qual seria a conclusão: alguém confortável em fazer tudo sempre do mesmo jeito ou alguém inquieto e constantemente em busca de novidades, e melhorias?

A resposta para essa pergunta dirá muito sobre a sua capacidade em ser criativo e acredite, essa é uma habilidade que faz toda a diferença para um profissional no cenário atual e também para o futuro do mercado de trabalho.

Hoje, ao longo dessa leitura vou te ajudar a entender o que é de fato ser um profissional criativo, porque empresas estão cada vez mais buscando talentos com essa soft skill e também dar algumas dicas de como começar a desenvolver a criatividade. Vamos nessa?

Soft Skills e mercado de trabalho: porque empresas estão buscando profissionais com inteligência criativa

Já tivemos a oportunidade de falar sobre as soft skills por aqui, e compreender que essas são as habilidades ligadas ao comportamento, aquelas que vão além da expertise técnica de um profissional.

A criatividade é uma dessas habilidades comportamentais e de acordo com o Fórum Econômico Mundial, ela é uma das 10 soft skills mais valorizadas por grandes corporações.

E isso não é apenas algo que vemos através de estudos do mercado, é nítido também quando vamos para a prática, para o dia a dia do setor de recrutamento das empresas que passam a valorizar e dar preferência a profissionais que demonstram um alto nível criativo.

Isso porque, recrutadores e empresas enxergam esse tipo de inteligência no ambiente de trabalho como uma maneira de agregar ao seu capital humano e aos seus processos a busca contínua por novas soluções, inovação e consequentemente melhores resultados.

O profissional criativo é visto como uma pessoa observadora, atenta aos detalhes, proativa e gosta de solucionar problemas e para isso buscam por perspectivas diferentes.

O que significa ser um profissional criativo?

Logo de cara, esse requisito da criatividade pode assustar, isso porque muitas pessoas ao se depararem com o termo já o associa a algo mais lúdico e artístico. Contudo, ter essa habilidade é algo que vai muito além.

Assim como também já não faz mais sentido dizer que somente áreas de atuação como design, artes visuais, arquitetura, audiovisual e outras profissões ligadas à criação em si.

A criatividade hoje é um diferencial competitivo exigido para profissionais de todos os setores e cargos. Isso porque, como mencionamos anteriormente, a habilidade não implica simplesmente criar algo e sim a capacidade em resolver questões e problemas do dia a dia através de outra perspectiva, em busca de inovação.

Para que fique mais claro vamos imaginar as seguintes situações:

É fácil entendermos que um profissional de marketing precise ser criativo, afinal é uma atuação que envolve diretamente uma série de processos que demandam criar algo novo. Mas, isso não significa que no setor jurídico, por exemplo, advogados não precisem dessa habilidade para encontrarem melhores linhas de defesa.

O conteúdo continua após o anúncio

Ou que no campo da tecnologia, os desenvolvedores não precisam estar sempre em busca das melhores soluções para seus projetos.

Assim como nas situações mencionadas, esse olhar criativo faz toda a diferença também em outras áreas, pois se pararmos para pensar se existe um problema precisando ser resolvido, um olhar mais criativo com certeza saberá encontrar a solução.

Nesse contexto, precisamos entender que a criatividade não tem a ver somente com ideias loucas e mirabolantes. Ser criativo é fazer conexões que não são óbvias e encontrar soluções eficientes e aplicáveis, mas que não estão estampadas por aí.

Comece a desenvolver essa habilidade

Outra crença completamente sem fundamento é que todo mundo que é criativo, nasce desse jeito, com esse dom. Mas isso não é verdade!

Como qualquer outra habilidade, a criatividade pode ser estimulada e desenvolvida por qualquer um de nós. Cabe ao profissional explorar o seu potencial, buscando por ferramentas e processos que o ensine uma nova forma de pensar.

Confira alguns comportamentos essenciais para o desenvolvimento dessa habilidade:

Seja curioso

Essa é uma característica fundamental para o criativo. Explorar o mundo ao seu redor, aprender coisas novas, criar repertório vai te ajudar nessa.

Estude

Busque por conteúdos relacionados à criatividade. Leia livros, blogs, assista documentários, escute podcasts, etc.

Viva novas experiências

Estar aberto a novas experiências será importante. Diga sim, para situações e atividades que você nunca pensou viver antes.

Saia da zona de conforto

Realize suas tarefas cotidianas de um jeito diferente. Sair da zona de conforto, não precisa ser algo inusitado demais, mesmo nos detalhes, é uma forma de pensar em novos caminhos, e abrir espaço para o novo.

Comece novos hábitos

Inclua hábitos diferentes na sua rotina. Essas mudanças podem começar com pequenas coisas, mas certamente podem trazer conhecimento e até a descoberta de novos interesses.

E então, você se considera uma pessoa criativa ou precisará colocar em prática todas essas dicas para desenvolver essa habilidade?

O importante mesmo é que tenha ficado clara a relevância dessa soft skill para grandes empresas e recrutadores, bem como, para que profissionais se destaquem em um mercado de trabalho cada dia mais competitivo.

Marcelle Larcher

Marcelle Larcher

Marcelle atua como Sócia e Diretora Executiva de Carreira do Grupo Larch. Graduada em Pedagogia e Psicologia pelo CES/JF e especializada em Gestão Estratégica de Pessoas pela HSM University. Empresária, empreendedora e gestora no setor de ensino, Marcelle tem mais de 15 anos de experiência em Gestão Educacional e Corporativa, e 26 anos de mercado.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia