Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / blogs e colunas / obituário / polícia

Qualidade de vida: indispensável às micro e pequenas empresas

As empresas devem privilegiar ações que impactem no coletivo e reduzam hábitos nocivos e desagradáveis ao convívio entre seus colaboradores

Por Carmen Rossana Carrijo Kotnick Pereira, analista do Sebrae Minas

16/10/2018 às 08h00 - Atualizada 15/10/2018 às 09h25

Investir na satisfação e no prazer em trabalhar se tornou um crescente desafio para as empresas e muitas delas têm implantado programas de qualidade de vida voltados para a promoção do bem-estar biopsicossocial de suas equipes. Porém, no caso particular das de pequeno porte, essas iniciativas ainda não são prioridade, sobretudo em razão do mito que as associa a grandes investimentos, que, em tese, impediriam sua adoção.

Mas, ao contrário do que se pensa, é possível customizar tais programas e promover melhorias na saúde física e mental dos colaboradores por meio de atitudes simples. Tal investimento visa atender às exigências do mundo globalizado, no qual as empresas precisam investir em capital humano para se manter competitivas.

A gestão eficiente de pessoas recomenda a construção de uma relação sustentável entre motivação e desempenho, independentemente do porte que a empresa tenha. De um modo geral, as pessoas buscam realização e satisfação de suas necessidades, evidenciadas em teorias como a de Abraão Maslow, que transita entre necessidades de sobrevivência e autorrealização. Assim, é possível para os gestores com um pouco de criatividade e conhecimento das necessidades de sua equipe oferecer benefícios como:

  • Melhoria nas condições de trabalho, a partir do envolvimento de todos;
  • Definição de prioridades, a partir de um diagnóstico da real situação da empresa, e identificação dos fatores que precisam de atenção imediata;
  • Adequação do fluxo das atividades;
  • Método de gestão;
  • Ambiente físico (ergonomia);
  • Políticas de pessoal: remuneração, avaliação e treinamento.

Implantar programas de qualidade nas micro e pequenas empresas é plenamente possível. Para isso, deve-se considerar, fundamentalmente, algumas regras e percepções presentes no relacionamento entre líderes e liderados, que devem guiar a elaboração de planos motivacionais capazes de garantir o bem-estar de toda a equipe.

O conteúdo continua após o anúncio

O desafio, portanto, vai além de se ter uma política voltada para isso. As empresas devem privilegiar ações que impactem no coletivo e reduzam hábitos nocivos e desagradáveis ao convívio, fatores que levam ao adoecimento e dificultam a obtenção de resultados.

Tais ações devem privilegiar não apenas questões referentes à ergonomia (altura de cadeiras, telas de computadores, ventilação, iluminação e, principalmente, riscos de acidentes), como também cuidados com o corpo (combate ao sedentarismo, por exemplo) e, primordialmente, o estímulo ao bom relacionamento interpessoal e à capacidade para administrar conflitos.

Reflita!

  • Sobre a sua empresa;
  • Sobre as relações de trabalho.

O ambiente de trabalho de sua empresa é harmonioso ou problemático? Invista no bem-estar de sua equipe! Pessoas felizes trabalham melhor!

Sebrae Minas Regional Zona da Mata e Vertentes

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia