Do entusiasmo ao esgotamento profissional

“Aprender sobre o desgaste profissional e suas consequências, bem como aumentar o conhecimento sobre como preveni-lo e tratá-lo, é crucial”

Por Thais Rabanea, Mestre em Psicologia Médica e doutoranda em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

03/01/2018 às 07h00

Na década de 1970, o psicólogo Herbert J. Freudenberger foi um dos primeiros a observar alterações significativas de humor, atitude, motivação e personalidade associadas à exaustão profissional, culminando na formulação do conceito clínico para o burnout (ou esgotamento), descrito como um “estado de exaustão física e mental causado pela vida profissional”.

A Síndrome de Burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, constitui uma síndrome psicológica decorrente da tensão emocional crônica, vivida pelos profissionais, cujo trabalho envolve o relacionamento intenso e frequente com pessoas que necessitam de cuidado e/ou assistência – sendo um transtorno de alta prevalência entre profissionais da área de saúde. Atualmente, a síndrome está registrada no Grupo V da CID-10 (classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde).

O termo “esgotamento” é formado pela raiz originária do latim “gota” (gutta), que significa líquido a escorrer, acrescida do sufixo da mesma origem “mento” (mentus), que confere um sentido de uma ação sofrida no passado acompanhada de uma mudança de estado. A palavra esgotamento parece nos remeter ao clássico provérbio português: “A última gota d’água faz transbordar o copo”.

Situações novas, desafiadoras ou ameaçadoras provocam uma resposta adaptativa de nosso organismo, a qual chamamos de estresse. Embora o estresse se configure como um mecanismo normal imprescindível para a manutenção da vida, ele pode se tornar patológico quando atinge o nível de exaustão, comprometendo substancialmente a saúde global.

Ambientes de trabalho tóxicos, caracterizados por carga excessiva de trabalho, remuneração inadequada, alta complexidade e hostilidade interpessoal, podem resultar em falência adaptativa e provocar o esgotamento. Aprender sobre o desgaste profissional e suas consequências potencialmente graves, bem como aumentar o conhecimento sobre como preveni-lo e tratá-lo, é crucial.

O conteúdo continua após o anúncio

A Síndrome de Burnout é multidimensional e abrange três dimensões essenciais: exaustão emocional, que se caracteriza pela sensação de estar no limite, falta de energia, fadiga e incapacidade de se recuperar de um dia para o outro; despersonalização, que abrange atitudes de descrença, distância, frieza e indiferença em relação ao trabalho e aos colegas de trabalho; diminuição da realização pessoal, que implica uma perda de sentido e entusiasmo pela atividade laboral.

É interessante observar que os profissionais que desenvolvem a Síndrome de Burnout são justamente aqueles que mais se dedicam e mais se identificam com os ideais e da profissão que exercem. Porém tornam-se, ao longo do tempo, frustrados, desmotivados, descomprometidos e exauridos emocionalmente.

A humanização dos ambientes de trabalho, o resgate do sentido atrelado ao exercício da profissão e a moderação das expectativas são fatores que precisam ser reconsiderados em casos de esgotamento profissional. Caso apresente ou observe em algum colega sintomas como dificuldade de concentração, cansaço excessivo, falta de energia, desânimo, alterações de sono e/ou apetite, apatia, isolamento, irritabilidade, dores de cabeça e adoecimento frequente, procure ou oriente a procura de um médico psiquiatra e um psicólogo.

Este espaço é livre para a circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões. Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 35 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia