Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Por sonho de criança, juiz-forano de 9 anos inicia trajetória na base do Fluminense

Henzo Brito passou pelo Botafogo antes de ser selecionado em peneira do tricolor. “Ele vai ser um dos grandes jogadores do Brasil”, garante treinador


Por Gabriel Silva, sob a supervisão do editor Bruno Kaehler

12/10/2021 às 07h00

Jovem com a camisa do Fluminense durante a Taça Os Donos da Bola, em que marcou gol pelo Tricolor (Foto: Os Donos da Bola)

Sport Club Juiz de Fora, Tupi, Botafogo e Fluminense. A trajetória do jogador de futebol Henzo Brito é de dar inveja a muitos atletas profissionais que, durante toda a carreira, não têm a oportunidade de atuar por duas das maiores equipes do Rio de Janeiro. Mas há um detalhe especial: Henzo tem apenas 9 anos e já encanta olheiros e treinadores pelo talento precoce. Atualmente dando os primeiros passos (e fazendo os primeiros gols) pelo Tricolor carioca, o jovem é mais uma esperança juiz-forana no futebol.

Se o futuro promissor com a bola nos pés parece uma escolha óbvia para o garoto morador do Bairro Santa Efigênia, Zona Sul, os planos do pai, Esmael Brito, eram outros. “Jiujiteiro” por essência, como ele próprio se considera, Esmael primeiramente quis que o filho seguisse pelo mesmo caminho. Entretanto, o tatame não atraiu Henzo tanto quanto a quadra. A prioridade, então, foi a realização daquilo que se mostrou ser um sonho de criança. “Quando (o Henzo) chegou lá (no jiu-jítsu), ele disse: ‘isso não é para mim, pai. Isso machuca muito. Eu quero é jogar futebol’. Eu levei ele para o futebol e deu certo”, conta. “Ele que quis (o futebol), eu sonhei outra coisa”, admite.

E logo nos primeiros chutes, a habilidade natural para o esporte mais popular do planeta era evidente. Com apenas 7 anos, um olheiro do Botafogo notou o talento do juiz-forano em uma disputa de Copa Zico e propôs a primeira aventura fora dos limites de Juiz de Fora para o garoto. Já no Glorioso, o Henzo foi aprovado em peneira no Fluminense e pôde optar pela “transferência” para a base do tricolor. “Estou muito feliz com essa nova fase no Fluminense. O que eu sempre gostei foi de jogar futebol e eu sempre quis jogar por um clube grande. Eu amo futebol e pretendo ser muito feliz nesse clube que abriu as portas para mim”, comemora Henzo.

“Ele vai ser um dos grandes jogadores do Brasil”

A rotina do garoto já é comparável ao cotidiano de atleta profissional. No sub-9, os treinos no Fluminense acontecem apenas uma vez a cada duas semanas. Entretanto, Henzo tem treinamento personalizado em quatro dias da semana no Almeida Galácticos, escolinha de futebol voltada para a profissionalização de jovens atletas no Bairro Novo Horizonte, na Cidade Alta. “O Henzo é muito diferenciado. Tem muito potencial e muito recurso. Bom com a perna direita, bom com a perna esquerda, cabeceia bem, tem uma arrancada especial”, avalia Antônio Marcos Lima, o Marquinho, treinador dos Galácticos.

O conteúdo continua após o anúncio

O amadurecimento precoce de Henzo faz com que ele seja realocado dentro da escolinha do Bairro Novo Horizonte. Em vez de praticar com os jovens de 9 anos, ele joga contra garotos de 13 anos. “Eu vejo o Henzo numa seleção sub-17. Ele vai ser um dos grandes jogadores do Brasil, com certeza. Ele tem muito potencial, é um dos melhores jogadores do projeto”, constata Marquinho.

Lances que evidenciam a categoria de Henzo com a bola no pé já podem ser acompanhados na internet. Isto porque o jovem juiz-forano já possui até mesmo um Instagram com quase 10 mil seguidores. A página é administrada pelo próprio pai e contém mídias de sua trajetória e treinamentos.

Lances de Henzo mostram habilidade com as duas pernas (Foto: Reprodução Instagram)

De malas prontas

No próximo ano, já está no radar do jovem a troca de categoria dentro do Fluminense, passando para o sub-10. Caso a mudança seja confirmada, o garoto passará a ter mais treinos no Rio de Janeiro durante a semana, de modo que a família já pensa em se mudar para a capital carioca. “O rapaz do Fluminense falou que, a partir do ano que vem, ele vai ser sub-10 e vai ter que treinar duas ou três vezes por semana. Nós vamos ter que alugar uma casa. Eu vou ficar aqui (em Juiz de Fora) e ela (a mãe) vai ficar lá (no Rio) com o Henzo. Mas estamos nos preparando para isso”, projeta Esmael.

A rotina atual já traz dificuldades para a família. Pai e mãe acompanham Henzo ao menos duas vezes ao mês na ida para o Rio de Janeiro. Quando Esmael não pode ir por conta do emprego como segurança, como atua há 13 anos, depende de alguém levar o garoto e a mãe ao treinamento. Caso o avanço na carreira como atleta se confirme, a ideia da família é ter o apoio de algum empresário para auxiliar o garoto até a profissionalização.

O esforço familiar, segundo o pai, é recompensado a cada vez que o garoto entra no gramado. “A gente fica muito feliz quando ele está em campo, o coração fica a mil”, conta Esmael. No dia 19 de setembro, a emoção foi especial: na estreia pela equipe de base do tricolor carioca, Henzo marcou um dos gols em vitória do Fluminense sobre o São Gonçalo na Taça Os Donos da Bola. Foi de perna esquerda o primeiro tento do jovem de 9 anos, que é ambidestro. São apenas os primeiros passos do garoto que promete colocar Juiz de Fora novamente no centro do futebol brasileiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia