Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Festival Varilux de Cinema Francês começa nesta quinta em JF

Evento, que chega a sua 13ª edição, exibe 17 longas inéditos e, em Juiz de Fora, acontecerá no Cinemais Jardim Norte


Por Tribuna

22/06/2022 às 14h08- Atualizada 23/06/2022 às 13h46

varilux
Vencedor do Leão de Ouro do Festival de Veneza em 2021, “O acontecimento”, de Audrey Diwan, é uma das atrações da 13ª edição do Festival Varilux de Cinema Francês (Foto: Divulgação)

Evento que já faz parte da agenda anual dos cinéfilos brasileiros, o Festival Varilux de Cinema Francês iniciou na última terça-feira a sua 13ª edição, com a exibição de 17 produções inéditas da filmografia francesa, além de dois longas que vão homenagear um clássico e comemorar os 400 anos de nascimento do dramaturgo francês Molière. No total, 48 cidades de 24 estados e do Distrito Federal vão receber o festival, que prossegue até 6 de julho. Em Juiz de Fora, as exibições terão início nesta quinta-feira (23), no Cinemais Jardim Norte; as outras cidades mineiras selecionadas para o Festival Varilux são Belo Horizonte e Ouro Preto. Confira neste link a programação completa do festival.
Segundo a organização do evento, a edição deste ano conta com produções de temáticas variadas e dos mais diversos gêneros cinematográficos, vencedoras ou participantes de alguns dos festivais mais importantes do mundo, realizadas por diretores consagrados e com elenco conhecido do público cinéfilo.

O conteúdo continua após o anúncio

Destaques da programação

Um dos destaques do Festival Varilux é “O acontecimento”, de Audrey Diwan, vencedor do Leão de Ouro da edição 2021 do Festival de Veneza. O drama sobre aborto, adaptação do romance homônimo de Annie Ernaux, tem no elenco Anamaria Vartolomei, Kacey Mottet Klein e Luàna Bajrami. O público também pode ficar atento a “Peter Von Kant”, de François Ozon. Com Isabelle Adjani, Emmanuelle Bercot e Denis Ménochet no elenco, o longa baseado em “As lágrimas amargas de Petra Von Kant”, do cineasta alemão Rainer Werner Fassbinder, abriu a última edição do Festival de Cinema de Berlim, em fevereiro, e concorreu ao Urso de Ouro, dado ao melhor longa-metragem.
Outras produções premiadas e que integram a programação do festival são “Um herói”, de Asghar Farhadi, vencedor do Grand Prix no Festival de Cannes de 2021, sobre um homem que está na prisão por conta de uma dívida não paga e que tenta, durante uma licença do cárcere, convencer o credor a retirar a queixa; “Contratempos”, de Eric Gravel, vencedor dos prêmios de melhor diretor e melhor atriz (Laure Calamy) no Festival de Veneza, em que uma mulher, mãe de dois filhos, precisa superar uma greve no sistema de transportes para chegar a tempo a uma entrevista de emprego; e “O destino de Haffmann”, de Fred Cavayé, vencedor nas categorias melhor atriz e melhor filme (Prêmio do Público) no Festival du Film de Sarlat 2021, em que um homem tenta começar uma família com a mulher que ama em meio à ocupação nazista de Paris, em 1941.
“Estamos sempre atentos para trazer para o festival obras de qualidade e com diversidade de temas. Sabemos que o público quer rever seus atores e diretores preferidos, mas também conhecer as novas revelações”, diz o codiretor e cocurador do Festival Varilux, Christian Boudier.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia