Tópicos em alta: polícia / CPI dos ônibus / bolsonaro

Veja entrevista com Luccas Netto, que faz 2 shows em JF

Fenômeno na internet entre as crianças, youtuber se apresenta no Expominas, neste domingo (14), e assume tarefa de contribuir para a discussão da educação dos pequenos

Por Mauro Morais

12/04/2019 às 15h16

Luccas Neto tem mais de 23 milhões de inscritos em seu canal e quase seis bilhões de visualizações (Foto: Divulgação)

Como as fábulas, os vídeos produzidos pelo youtuber Luccas Neto resultam numa reflexão, seja relacionada a saúde, bem-estar ou educação. Interpretando personagens (já criou 39!) e acompanhado por uma turma de jovens e nem tão jovens atores, o influenciador conta histórias apostando no humor e no encanto das cores e dos brinquedos. Aos 26 anos, cinco deles na frente das câmeras e nas telas dos computadores e celulares, Luccas produz conteúdo diário para uma faixa etária que parte dos 2 anos. Segundo informa seu site, o youtuber tem o auxílio de uma equipe multiprofissional, “como psicólogos, pedagogos e psicopedagogos, que supervisionam e aprovam todos os conteúdos produzidos”. Moral da história: o canal de Lunes, como é conhecido, no Youtube soma mais de 23 milhões de inscritos e quase seis bilhões de visualizações, e cada um de seus vídeos atinge, em média, três milhões de internautas.

Luccas é um fenômeno. E não apenas na internet. O youtuber se apresenta neste domingo (14) no Expominas, em Juiz de Fora. Inicialmente, apenas na sessão das 18h, mas a produção abriu outro horário, às 13h, no espaço com capacidade para quase 1.500 espectadores. No palco, o aventureiro azul divide a cena com as aventureiras, as fiéis parceiras Giovanna Alparone (aventureira vermelha) e Jéssica Diehl (aventureira rosa). Agenciado pelo escritório juiz-forano NonStop, que também cuida da carreira de Whindersson Nunes e Carlinhos Maia, dois outros gigantes das redes sociais, o irmão caçula do também youtuber Felipe Neto mostra em cena a desenvoltura com que grava seus vídeos e a mobilização que as redes sociais alcançam. Seria o Youtube a televisão dos novos tempos? Luccas Neto discorda: “Acredito que ambas as mídias têm propostas diferentes e formas distintas para agregar”, diz o influenciador, em entrevista por e-mail à Tribuna.

Tribuna – O que te chama atenção no trabalho com o público infantil? Quais são os maiores desafios de produzir conteúdo para essa geração?
Luccas Neto – Levar alegria para as crianças e contribuir com os responsáveis na difícil missão de educar são as minhas principais motivações e objetivos. Isso é o que mais me deixa feliz.

– Quando era criança, o que gostava de assistir? De que forma o que via te inspirou a fazer os vídeos que veicula no canal?
– Muitos desenhos e todas as animações da Disney! Eu tento ser o que o Mickey é para mim, uma referência positiva para as crianças. Além disso, procuro utilizar a minha influência para o bem, para ajudar os responsáveis no dia a dia da família.

O conteúdo continua após o anúncio

– É comum ouvirmos a afirmação de que as crianças hoje têm acesso facilitado a um sem número de informações que antes exigiam, de gerações passadas, muito esforço para serem alcançadas. Acredita que as crianças de hoje são mais inteligentes?
– Não acho que são mais inteligentes, elas têm mais acesso hoje do que antigamente. Atualmente as crianças assistem ao YouTube cada vez mais, e eu queria ser uma fonte segura de vídeos. Um lugar em que os pequenos poderiam navegar e curtir sem medo de ter algo inapropriado para a idade.

– A internet tem se mostrado cada vez mais um ambiente dispersivo. Como se destacar no meio digital diante de uma multidão de outros sujeitos?
– Tenho plena consciência da responsabilidade que assumo ao me comunicar com meu público e com os responsáveis. Acho que isso é o que trago de diferente. Levar alegria para os pequenos e contribuir com os pais de alguma maneira.

LUCCAS NETO
Neste domingo, 14, às 13h e às 18h, no Expominas (Rodovia BR 040 – km 79)

 

 

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia