Tópicos em alta: polícia / CPI dos ônibus / bolsonaro

Evento discute caminhos da educação musical

Por Tribuna

12/04/2019 às 21h31- Atualizada 13/04/2019 às 08h45

Com a ideia de conseguir pensar na música para o outro e como isso pode transformar o cotidiano das pessoas, teve início nesta sexta-feira (12) o Festival de Música e Educação em Juiz de Fora. Pautado pelos questionamentos em torno da carência e qualidade do ensino musical, o evento, que acontece no Ritz Plaza Hotel, traz para a cidade, até o domingo (14), workshops e palestras sobre o tema.

Durante os três dias, mais de 24 horas de atividades serão desenvolvidas, reunindo tanto empreendedores quanto acadêmicos. “Queremos fazer um ponto de encontro, pois é difícil ter eventos como esse. A ideia de trazer diferentes vertentes é para mostrar que não tem uma fórmula ou um formato correto de seguir”, explica o idealizador do festival e fundador do CataVento Centro de Educação Musical, Rafael Motta.

Dentre os destaques da programação está Maurício Maas, multi-instrumentalista, ator, professor, sonoplasta, diretor e produtor musical, integrante do grupo Barbatuques. Outra atração é o workshop de educação inclusiva com Luiz Alberto, criador do projeto Música Tátil. Deficiente visual, o profissional contará sobre sua trajetória em busca do aprimoramento e como ele trabalha com os deficientes visuais, além de apresentar ideias de exercícios a serem aplicados englobando desde a teoria até a prática. “Na segunda, dia 15, a partir das 15h, vamos oferecer uma oficina aberta para deficientes visuais poderem fazer uma aula de música com a gente no Catavento”, ressalta Rafael. A entrada para essa atividade é gratuita. Os interessados devem entrar em contato pelo telefone (32) 99186-4646 ou pela página CataVento no Facebook. Para os demais eventos, as inscrições estão esgotadas.

O conteúdo continua após o anúncio

Popularização

Em oito anos de existência de seu centro de formação, Rafael Motta sentiu a necessidade de capacitação de seus próprios instrutores e, a partir daí, voltou as atenções para o nicho da educação musical como um todo. “Passamos a incentivar todas as pessoas que trabalham com música a buscar esse tipo de conhecimento. Não tem faculdade de música em todos os lugares e não é muito comum de achar. Então existe ainda uma distância entre o músico popular e esse conteúdo que fica dentro da faculdade, que seria o curso de licenciatura em música”, explica.

Caminho traçado

Para Rafael, as motivações do projeto baseiam-se em experiências de vida. Por não possuir facilidades de acesso ao ensino musical em Valença, onde cresceu, o empreendedor precisou se mudar para o Rio de Janeiro, onde formou-se em licenciatura em Música.

“Quando eu retornei a minha cidade, eu abri uma escola e senti essa dificuldade em conseguir explicar o que estávamos trazendo como proposta de ensino para as pessoas. Eu senti isso tanto com os clientes e principalmente com nossos professores. Entendo que quanto mais pessoas estiverem trabalhando com educação musical de qualidade, mais regularizado vai ser esse setor”, conclui.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia