Tópicos em alta: matheus goldoni / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

Coletivo de hip-hop faz show no Maquinaria para refletir e se divertir

Grupo WAV apresenta reflexões sobre a periferia e a identidade em apresentação neste sábado (9)

Por Tribuna

08/02/2019 às 15h41

Marcelo Marte, Thainá Krya, RT Mallone e DJ Everton Beatmaker formam o WAV (Foto: Divulgação)

Abrindo a agenda de 2019, o Coletivo WAV se apresenta neste sábado (9) no Maquinaria, a partir das 21h. Com discotecagem pré e pós-show por conta do DJ Everton Beatmaker, o público irá conferir um ensaio aberto dos rappers locais. A apresentação também conta com músicas de lançamento de Marcelo Marte e Thainá Krya, além do álbum “Vendedor de sonhos” de RT Mallone.

Segundo um dos artistas, Marcelo Marte, o evento reúne trabalhos individuais e performances em grupo. Misturando a reflexão social com a música, o grupo leva ao público a diversidade de estilos e ideias, pensando, entre tantos assuntos, a periferia e a identidade. “É muito característico no trabalho do RT Mallone tratar de questões psicológicas e periféricas, principalmente da negra e do negro periférico, como é possível absorver as dificuldades que a sociedade impõe para quem mora na periferia, indo além da desigualdade social. A Thainá trabalha através da espiritualidade e traduz isso refletindo também a ideia de autoafirmação, principalmente como uma figura feminina no meio de uma cultura majoritariamente masculina. Na minha opinião, ela é uma das principais figuras da cena de Juiz de Fora quando se fala de feminismo e rap. O Everton vem de periferia e tem um discurso híbrido, que consegue dialogar com todo mundo. Eu, por fim, trabalho em cima da minha experiência de vida, da minha individualidade, que é basicamente um cara branco de classe média que vê as disparidades do mundo e entende o reflexo psicológico que isso gera nas pessoas”, comenta.

O conteúdo continua após o anúncio

O grupo surgiu há cerca de três anos através da iniciativa dos quatro artistas juiz-foranos de unir os trabalhos e se apresentarem com o objetivo de abrir portas para o rap nas casas de festa na cidade. Em 24 de fevereiro, o grupo volta a se apresentar no Cultural Bar, na segunda edição do Big Booty Rap Festival. O nome do coletivo faz referência tanto à alta qualidade do áudio, correspondente ao formato WAV, quanto à palavra “wave”, que significa “onda” em inglês, e representa o grupo como uma energia que se propaga.

Coletivo WAV
Neste sábado (9), a partir das 21h, no Maquinaria (Rua São Mateus 552). 3215-3251

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia