Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Funalfa envia acervo Nahim Miana para serviços de conservação

Total de 34 películas foram enviadas para laboratório especializado da UFF; previsão é que o trabalho seja concluído ainda este ano


Por Tribuna

01/07/2022 às 14h04- Atualizada 04/07/2022 às 10h21

Ações de higienização e conservação dos filmes serão feitos pelo Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual da Universidade Federal Fluminense (Foto: Funalfa/Divulgação)

Trinta e quatro películas de 8mm e 16mm do acervo Nahim Miana foram encaminhadas na última quinta-feira pela Funalfa para o Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual (Lupa) da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói (RJ). O material será catalogado e passará por ações de higienização e conservação, como parte do convênio firmado entre a Funalfa e a instituição de ensino superior, mediado pela pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Cinema e Audiovisual da UFF, Vanessa Rodrigues. De acordo com ela, o processo deve ser concluído até o final do ano.
Ao contrário de outro expoente histórico do audiovisual juiz-forano, João Carriço – cujo acervo também se encontra sob responsabilidade do Departamento de Memória e Patrimônio Cultura (DMPAC) da Funalfa, Nahim Miana é considerado um cineasta doméstico, que realizava suas gravações sem a intenção de fazer exibições públicas. Seu acervo é marcado por registros de sua família, em que mostrava a rotina diária, momentos de lazer, passeios pela cidade e viagens de férias. “Mesmo assim, o acervo não se limita a memórias familiares, são um recorte da história da cidade como um todo”, analisa a Vanessa Rodrigues.

O conteúdo continua após o anúncio

Acesso facilitado ao material

Os filmes foram doados pela família Miana à Prefeitura de Juiz de Fora no ano 2000, e desde então está sob responsabilidade do DMPAC, que trabalha com a expectativa de que o serviço realizado pelo Lupa viabilize a conclusão da digitalização das fitas, facilitando assim o acesso de pesquisadores, estudantes e cineastas, entre outros.
Para a gerente do DMPAC, Rita Félix, parcerias como a firmada entre a Funalfa e a UFF são fundamentais para a preservação de acervos históricos importantes para a memória da cidade e de seus cidadãos. Já o supervisor de Memória do DMPAC, Eduardo Faria, destaca que “o tratamento e a digitalização do acervo Nahim Miana potencializam a memória, na medida em que permitirão acesso a informações por mais um referencial, ampliando a possibilidade de reflexão do pesquisador e do cidadão interessado na história de Juiz de Fora”.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia