Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Pedidos acumulados de manutenção em iluminação pública devem ser atendidos até junho

Serviços ficaram paralisados por quase três meses e acumularam 1.689 solicitações. Segundo a PJF, desde o início do mês, 879 registros já foram atendidos


Por Gabriel Silva, estagiário sob supervisão do editor Eduardo Valente

18/05/2020 às 12h20- Atualizada 18/05/2020 às 12h42

A Prefeitura espera terminar, até o fim de junho, as solicitações acumuladas de manutenção da iluminação pública em Juiz de Fora. O serviço, que havia sido interrompido em fevereiro, voltou a funcionar no último dia 4. Desde então, segundo a Secretaria de Obras, 879 pontos de iluminação já foram recuperados. A demanda reprimida, no início do mês, era de 1.689 solicitações.

A paralisação na manutenção da iluminação pública na cidade se deu em função de atraso no processo licitatório de empresa especializada no serviço. Após o término do contrato anterior da PJF para o trabalho, no último dia 6 de fevereiro, a cidade permaneceu com vacância no setor até o último dia 4, quando a Construtora Siqueira Cardoso Eireli iniciou os trabalhos. A empresa foi contratada pelo período de 12 meses, sob o custo de R$ 1.384.999,80 para a realização do serviço.

O conteúdo continua após o anúncio

Cobrança de taxa mesmo sem serviços de manutenção

Na última semana, um leitor da Tribuna,l que pediu para não ser identificado, registrou reclamação sobre a cobrança do Custeio do Sistema de Iluminação Pública (CCSIP) mesmo sem a realização do serviço de manutenção. Conforme a Secretaria de Obras, a cobrança se justifica pelo papel de “custear o consumo da energia que mantém a iluminação pública e todas as obras e serviços afins”. A secretaria ressaltou que, dos 50 mil pontos de iluminação da cidade, apenas uma fatia de 4% ficou sem funcionamento durante o período.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia