Tópicos em alta: polícia / chuva

Juiz de Fora integra Marcha pela Legalização do Aborto

Manifestação realizada no município ocorreu ainda em outras cidades da América Latina. Intenção é defender maior conscientização sobre o tema

Por Tribuna

08/08/2018 às 21h05

Cerca de 200 pessoas participaram do ato, ocorrido no Centro de JF (Foto: Felipe Couri)

Juiz de Fora integrou a Marcha pela Legalização do Aborto na América Latina, que aconteceu nesta quarta-feira (8) em várias cidades do continente. Reunidos na Praça da Estação, os cerca de 200 manifestantes trouxeram à tona questões relacionadas ao aborto e proferiram palavra de ordem, ao marcharem rumo ao Cine-Theatro Central, no Calçadão da Halfeld.

Organizado pelo Fórum 8M, o ato aconteceu, também, “em solidariedade às mulheres argentinas”. O país vizinho votou, nesta quarta-feira, o projeto de lei que visa a legalizar a prática do aborto, conforme explicou uma das integrantes do coletivo, Lucimara Reis.

Segundo ela, as iniciativas fortalecem o movimento feminista e também contribuem para que outros países busquem realizar tal debate. Em Juiz de Fora, os coletivos feministas estão cumprindo agenda desde sexta-feira (3), data em que o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a realizar as audiências públicas no Brasil para discutir o caso.

O conteúdo continua após o anúncio

Para a presidente do PSOL-JF, Lorene Figueiredo, que participou da marcha, a “luta é por todas as mulheres, mas é principalmente pelas pobres e negras, que morrem em decorrência dos abortos clandestinos”.

Sob o lema “Nem presa, nem morta” e com faixas verdes – cor do movimento pela legalização do aborto – mulheres, principalmente jovens, expuseram seus posicionamentos para que o aborto não seja considerado crime quando feito até a décima segunda semana de gravidez. “Eu acho completamente equivocado o Estado decidir sobre uma escolha que deve ser exclusivamente da mulher”, defende a estudante Clarissa Bortolus, 18. Para ela, que participou pela primeira vez de uma manifestação, a legalização do aborto não contribui para a prática abortiva, mas para que haja mais conscientização sobre o tema.

 

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia