Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Anvisa aprova dose de reforço da Pfizer para maiores de 18 anos

Indicação é para que a dose de reforço seja utilizada em esquema homólogo, isto é, em quem também tomou as duas primeiras doses da Pfizer


Por Agência Estado

24/11/2021 às 20h49

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quarta-feira (24) que a Pfizer inclua a dose de reforço na bula da sua vacina contra o coronavírus. De acordo com o órgão, “as evidências científicas demonstram segurança e eficácia” na aplicação, recomendada para seis meses após a segunda dose, em pessoas de 18 anos ou mais.

A indicação da Anvisa é para que a dose de reforço seja utilizada em esquema homólogo, isto é, em quem também tomou as duas primeiras doses da Pfizer. A agência justificou a decisão com base em “dados de estudos científicos que indicam a diminuição dos anticorpos neutralizantes”, “evidências de diminuição de eficácia da vacina” e o surgimento de novas variantes, como a Delta.

O conteúdo continua após o anúncio

A Pfizer ainda firmou um termo de compromisso com a agência para apresentar dados complementares solicitados pela Anvisa. Os principais pontos a serem esclarecidos são sobre eficácia, imunogenicidade e segurança da dose de reforço; plano de gerenciamento de risco; e efetividade e segurança de “vida real”
Os dados de segurança e eficácia da dose de reforço da Pfizer para o uso heterólogo, naqueles que foram imunizados com a vacina de outro fabricante, ainda não foram disponibilizados pela farmacêutica e nem avaliados pela Anvisa.

Ainda na semana passada, a agência cobrou do Ministério da Saúde um posicionamento oficial sobre a decisão de anunciar a imunização de reforço em toda a população adulta do Brasil. Segundo o anúncio do ministro Marcelo Queiroga, a aplicação da dose de reforço pode ser feita em todo o país desde que o esquema vacinal tenha sido completado há, no mínimo, cinco meses.

Tópicos: coronavírus / vacina

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia