Tópicos em alta: sergio moro / dengue / polícia / reforma da previdência / bolsonaro

O poder de transformação do conhecimento

Por Lucimar Brasil (Gente de Conteúdo Comunicação)

29/05/2019 às 08h57- Atualizada 29/05/2019 às 12h31

Foto: Divulgação

Ele se sentia constantemente deprimido, mas se recusava a fazer terapia com psicólogo. Ela, portadora de enfisema pulmonar, viu sua mobilidade se restringir até o ponto de acreditar que “nem sabia mais andar”. Hoje essas duas realidades passam longe na vida do casal Francisco Mattos e Dilma de Souza Mattos, juntos há 51 anos, graças à mudança de atitude provocada pelo poder do conhecimento. Amparados pelo apoio de profissionais, tornaram-se parceiros engajados no cuidado da própria saúde e o que antes relutavam em fazer – terapia e fisioterapia, respectivamente -, se transformou em práticas cheias de significado e sentido capazes de alterar para sempre o rumo de suas vidas.

Casoscomo de Francisco e Dilma são considerados clássicos do chamado protagonismo do paciente. Uma nova dimensão do cuidado à saúde que começa com um processo de educação, conhecido no meio médico, como alfabetização do paciente. “Como engajo uma pessoaao tratamento se ela chega no consultório e fala que está com dor no ‘figo’? Se o paciente não sabe nem o nome do órgão onde sente o incômodo, quanto menos vai saber sobre a doença que tem. Por isso, a primeira coisa que o profissional deve fazer é educá-lo, para assimconseguir seu engajamento, atuando como fonte de apoiopara o autocuidado”, explica a especialista em Experiência do Paciente e professora da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP), Kelly Rodrigues.

O conteúdo continua após o anúncio
Os dois especialistas, Kelly Rodrigues e Marcelo Alvarenga, destacam a educação do paciente como um dos fatores para o desfecho clínico favorável (Fotos: Divulgação e Imprensa HSL)

“Estamos vivendo a transição de uma época em que nós, profissionais de saúde, éramos mais paternalistas. Além disso, com toda a tecnologia que temos acesso, como internet e smartphone, o conhecimento deixou deser restrito”, observa o médico, gerente de Experiência do Paciente do Hospital Sírio e Libanêsna capital paulista, Marcelo Alvarenga.“Eu, por exemplo, sou endocrinologista e trato de muitas pessoas com diabetes. Quanto mais elas sabem sobre os riscos da doença, mais fazem o que deve ser feito e melhoram o desfecho clínico.”

Isso explica na prática que dar poder de decisão ao paciente não temnada a ver com tirar poder do médico. De acordo com a organização “EuropeanPatientsForum”,inclusive, empoderar o paciente significa promover o desenvolvimento e a implementação de políticas, estratégias e serviços de saúde que o capacitem a se envolver no processo de tomada de decisão e gestão de sua condição, de acordo com sua preferência, enquanto aumenta a consciência sobre seus direitos e responsabilidades.Um jogo onde só tem vencedor.

 

Seja um paciente empoderado

  1. Busque conteúdo educativo sobre seu corpo e sobre o que sente junto às próprias instituições de saúde.
  2. Tenha uma comunicação assertiva no ambiente do consultório, para saber o que é importante que seja feito em casa. Procure um profissional aberto, com quem possa esclarecer suas dúvidas.
  3. A tecnologia é uma boaaliada. Utilize aplicativos que lembram a hora de tomar medicamentos, fazer exames, voltar às consultas médicas, por exemplo.
Fonte: Marcelo Alvarenga – Gerente de Experiência do Paciente do Hospital Sírio e Libanês.

Os 3 pilares estratégicos para o protagonismo do paciente

  •  Qualidade e segurança assistencial: Seja qual for a instituição,seja qual for o profissional, o atendimento tem que ser tecnicamente bom e seguro.
  •  Atenção centrada no paciente: começa com a educação, para se alcançar o engajamento ao tratamento. Assim, é possível apoiar o paciente para o autocuidado.
  •  Excelência na experiência: engloba tudo o que paciente vivenciou em sua jornada, como a facilidade de acesso aos serviços e aos profissionais de saúde, tratamento recebido, etc.
Fonte: Kelly Rodrigues, especialista em Experiência do Paciente, diretora executiva da PacientCentered Consulting

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia