Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Articulações políticas dependem de fusão de partidos e de mudanças de legenda

Por Paulo Cesar Magella

25/09/2021 às 12h00 - Atualizada 24/09/2021 às 09h15

Embora sejam meras especulações, sobretudo por faltar ainda um ano para as eleições, as conversas envolvendo candidaturas ganham fôlego. Até agora o governador Romeu Zema não desmentiu a possibilidade de sair do Novo e se filiar ao partido oriundo da fusão do PSL com o DEM. Teria a simpatia de deputados como o juiz-forano Charlles Evangelista, mas há muitas tratativas no meio do caminho. O PSDB, embora não conte com sua filiação, quer manter a aliança que elevou Paulo Brant, de novo no ninho tucano, a número dois do Estado. Os tucanos têm, ainda, uma secretaria de estado e liderança a representação do governador na Assembleia.

O conteúdo continua após o anúncio

Presidente do Senado ainda não definiu se fica na nova aliança ou busca novo partido

Esse, no entanto, é o menor dos problemas. O ponto central é o senador Rodrigo Pacheco, do DEM. Ele delegou ao comando nacional, leia-se ACM Neto, o papel de conduzir as negociações com Luciano Bivar, do PSL, mas as montanhas de Minas sabem que o presidente do Senado almeja um papel assertivo nas eleições de 2022. Se continuar no partido fruto da aliança, pode ser induzido a apoiar a candidatura à reeleição de Romeu Zema. Se migrar para o PSD, como articula o ex-ministro Gilberto Kassab, terá que resolver um impasse: apoiar o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil ou o senador Carlos Viana, vice-líder do Governo, ambos com a mesma pretensão de enfrentar Zema.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia