Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

O Flamengo atual é o maior da história do clube?

Com a conquista do bicampeonato brasileiro seguido, a pergunta do título precisa começar a ser respondida

Por Marketing e Negócios

23/03/2021 às 09h14 - Atualizada 23/03/2021 às 09h15

Falar da história de um clube e criar comparações nunca é fácil, ainda mais no Flamengo, onde uma nação de fanáticos simplesmente coloca Zico e sua turma em um pedestal. E de forma merecida, claro. Mas depois da conquista do Brasileirão de 2020, emendando um segundo ano de conquistas importantes, é natural fazer a pergunta: o atual Flamengo é o maior da história?

O período atual de dominância é impressionante e isso pode ser visto de forma mais científica em sites de apostas esportivas. Não só o Flamengo FC é favorito em todos os jogos como mandante, mas também na grande maioria como visitante. Esse já é um bom argumento.

Como destrinchar os anos 80?

Pegando os anos 80 como um todo do Flamengo, não há nem o que pensar. Campeão brasileiro em 1980, 1982, 1983, vencedor da Copa União em 1987 (mais um Brasileiro), Libertadores em 81 e o jogo inesquecível contra o Liverpool no Mundial. O time era uma verdadeira máquina.

Mas a verdade é que colocar todos os títulos no mesmo pacote é um pouco injusto. Sim, Zico já tinha voltado da Itália em 1987, mas era outra fase de sua carreira depois da entrada desleal de Márcio Nunes. Além disso, o ataque do Flamengo tinha Renato Gaúcho, Bebeto e Zinho, totalmente diferente dos anos iniciais daquela década.

Portanto a comparação justa aqui é colocar o Flamengo até a saída de Zico (1983) como uma fase e o pós 85 como uma segunda fase. Assim como se Bruno Henrique, Everton Ribeiro e De Arrascaeta saírem, Gabriel sair e voltar, essa volta dele com um novo elenco a sua volta será uma outra fase em relação ao Flamengo atual.

O conteúdo continua após o anúncio

Ainda falta

Mesmo quem quiser ser mais polêmico precisa admitir que ainda falta para o atual Flamengo chegar ao status do Mengão do começo dos anos 80. São três brasileiros contra dois e mais uma Libertadores e Mundial, algo que escapou para Jorge Jesus e seus comandados no fim de 2019.

Não só isso: o futebol brasileiro naquela época era o melhor do mundo, com craques em várias equipes e uma concorrência maior. O Flamengo hoje tem um excelente elenco, mas é sinal dos tempos que seus melhores jogadores não foram protagonistas na Europa ou na Seleção Brasileira.

Isso não tira o brilho do mérito das conquistas atuais, mas em comparação a uma seleção com Zico, Junior, Leandro, Mozer, Tita e companhia limitada fica difícil.

Agora um enorme mérito desse Flamengo atual é brigar forte pela posição de segundo maior time da história do clube. Além da versão final dos anos 80, tem também as equipes dos anos 50 – tricampeão carioca em 53, 54 e 55 – e 60 (1963 e 1965), mas estas precisavam disputar terreno com equipes fortíssimas de Vasco e Botafogo, respectivamente.

O Flamengo atual é completamente soberano contra seus rivais de cidade, sendo três vezes campeão carioca nos últimos quatro anos e vendo Botafogo e Vasco caindo para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O Fluminense hoje é o que mais faz frente, mas não é o grande rival do Flamengo na atualidade, sendo este o Palmeiras.

Agora a pergunta é: quanto falta para chegar no Flamengo do começo dos anos 80. É justo que torcedores mais antigos digam que é impossível por causa do encantamento com aquele time e o fato que na época o Flamengo tinha que disputar cada espaço com seus rivais de cidade. Hoje o torcedor é um pouco mais bem-tratado, portanto os momentos bons são quase uma garantia. Mas se Gabigol e companhia vencem mais uma Libertadores e mais um Brasileiro neste ano louco de 2021, é preciso ter uma discussão: será que o Flamengo do fim da década de 2010 e começo desta década não é o melhor da história do clube?

Marketing e Negócios

Marketing e Negócios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia