Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Olhos vivos

Por Leandro Mazzini

29/06/2021 às 06h55 - Atualizada 28/06/2021 às 19h42

É ordem no Palácio do Planalto. Os computadores amanhã com acesso ao vivo à TV on-line do Tribunal de Contas da União. O ministro-relator Walton Alencar vai dar seu parecer sobre as contas do Governo Federal em 2020. Toda informação no voto sobre ressalvas ou suposta irregularidade será rebatida de pronto no mesmo dia. O presidente Jair Bolsonaro sabe do risco. Foi num voto desses que a então presidente Dilma Rousseff caiu em desgraça.

A ex

Algum maldoso jogou na fogueira junina do Congresso o nome da ex-esposa do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Ela não quer depor na CPI. Não quer holofote.

O contato

Bom de relações públicas, o ex-ministro da Saúde Ricardo Barros tem contatos nos laboratórios indiano da Covaxin, chinês da Casinovac e russo da Sputnik.

Novo pleno

O Superior Tribunal de Justiça espera chegar no fim deste ano com 1 milhão de decisões – entre monocráticas e colegiadas – proferidas por sessões virtuais.

Outro bloqueio

Segue a novela Bolsonaro atrás de um partido para chamar de seu. O Patriota se enrolou todo. O presidente, Adilson Barroso, foi destituído pelo vice Ovasco Resende em convenção com maioria dos delegados. E a turma da nova direção não topa filiação do presidente da República, tratada pelo presidente anterior – que já filiou o filho Zero U, o senador Flávio Bolsonaro.

Volta tudo

Bolsonaro tem ainda opções como Progressista, PTB, Aliança 35 (ex-Partido da Mulher Brasileira). Mas quer legenda que tope lhe entregar toda a executiva e o controle dos fundos partidário e eleitoral. O que é muito difícil. A conferir

Ele avisou

O aviso foi dado em maio pelo engenheiro e ex-secretário de Energia do Estado do Rio de Janeiro Wagner Victer: o país corre risco de apagão se não lançar mão urgente da ligação das termelétricas e senão investir nos leilões para entrega a curto prazo.

O conteúdo continua após o anúncio

Aliás…

… A Assembleia Legislativa do Rio aprovou um projeto de lei de incentivo às novas termelétricas, visando aumento da oferta de gás nacional por gasodutos marítimos.

Meio a meio

A proposta do substitutivo na PEC que trata do voto impresso em comissão especial, que será apresentado hoje na Câmara dos Deputados, prevê a implantação de 50% de impressoras nas urnas eletrônicas e “100% de auditoria nas urnas com apuração in loco”.

Confirmou

As novas urnas compradas em licitação pelo Tribunal Superior Eleitoral para o pleito de 2022 estarão aptas à implementação do voto impresso. Elas serão mais da metade dos equipamentos que serão utilizados. A informação é do próprio TSE em ofício encaminhado ao deputado federal Filipe Barros (PSL-PR), no qual mostra que 51,69% das urnas (298.283 equipamentos) já preveem o acoplamento mecânico e elétrico.

Gambiarra …

Segundo um especialista consultado pela Coluna, é possível a modificação das urnas antigas. “Do ponto de vista do software, é necessário ter cada voto assinado digitalmente, através de um token especial, microprogramado”

… oficial

As urnas eletrônicas mais antigas precisam de adaptações, mas também poderão ser utilizadas caso o voto impresso seja obrigatório a partir do ano que vem. O token fica conectado na porta USB da urna. “Tudo isso pode ser feito pela estrutura atual do TSE”, complementa a fonte da Coluna.

ESPLANADEIRA

# Logicalis expande operações regionais para Minas Gerais. # Espetáculo “O Cão de Kafka” estreia dia 9 de julho, no YouTube e na plataforma Eko Studio, ambos gratuitos. # UNIASSELVI passa a oferecer benefício de efetivação de matrículas pelo aplicativo Leo App. # Projeto 1P5P da Reserva ultrapassa a marca de 50 milhões de pratos complementados em 5 anos de programa.

Esplanadeira é a seção da Coluna para divulgação de informações de mercado, artes, ação social, esportes e afins, sem qualquer vinculação publicitária ou financeira com este espaço. Sugestões para [email protected]

Leandro Mazzini

Leandro Mazzini

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia