Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Ordem na casa

Por Leandro Mazzini

18/06/2021 às 06h55 - Atualizada 17/06/2021 às 19h47

O ex-presidente Lula da Silva, a cada dia mais candidato do PT ao Palácio do Planalto, agendou visita ao Recife para uma conversa séria e definitiva com os caciques locais do partido. Ele se refere ao senador Humberto Costa e à deputada Marília Arraes, para que deixem de ‘mimimi’ e se unam pelo seu palanque para Brasília e para o Governo de Pernambuco. O problema maior é o senador Humberto que, na última eleição para prefeito, panfletou e fez campanha no palanque de João Campos (PSB), desdenhando da colega petista. Pernambuco, sua terra natal, é o principal reduto eleitoral de Lula no Nordeste.

Caiu a pauta

O flagra dos bolsonaristas na deputada Luisa Canziani, gravando com microfone de lapela da TV Globo uma reunião no MEC, derrubou de vez seu pai, Alex Canziani.

Por tabela

Alex, ex-deputado federal do PTB, articulava com poderosos padrinhos ser nomeado secretário executivo do ministério. Caiu bem antes por causa da filha, expulsa do PTB.

Fio solto

Dado curioso no painel da Câmara sobre a aprovação da privatização da Eletrobras: o MDB liberou a bancada para votar. Muita gente do partido, por décadas, mandou na estatal. E ainda há fios soltos.

Sentou na janela

O senador e ex-presidente da República Fernando Collor deixa o PROS e vai se filiar ao PTB. Teve longa conversa com o presidente da sigla, Roberto Jefferson. Na esteira do assunto, Jefferson destituiu o deputado federal Nivaldo do comando do diretório em Alagoas para presentear Collor – que prometeu levar mais gente para o partido.

Laços históricos

Lindolfo Collor, avô do senador, foi ministro do trabalho do presidente Getúlio Vargas, fundador do PTB.

O conteúdo continua após o anúncio

O cara errado

O diretor jurídico da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Flávio Werneck, virou celebridade. Mas por situação curiosa. Werneck tem sido confundido com o homônimo, cuja quebra de sigilo bancário, pedida pela CPI da Pandemia, foi negada pelo ministro do STF Luís Roberto Barroso.

Cara na tela

A imagem do policial federal já ilustrou várias matérias de TV, que o identificam como o ex-assessor do Ministério da Saúde. Werneck é diretor de Estratégia Sindical do Sindicato dos Federais do DF e presidente da Associação Nacional dos Escrivães.

Sem conexão

O PDT de Pernambuco quer ser a cereja do bolo nas eleições de 2022. O presidente estadual, Wolney Queiroz, deu um ultimato ao PSB dizendo que se o partido fizer uma aliança com o PT, sua legenda deixará a Frente Popular da base do Governo estadual e passará a conversar com outras siglas.

É que…

…O presidenciável que será apoiado por Queiroz é Ciro Gomes (PDT), e não há a menor hipótese de uma aliança com o PT de Lula da Silva, que também é candidato.

Brasiillll

Um leitor de Coroa Vermelha, distrito de Santa Cruz Cabrália (BA), sofre um descaso da Coelba, a companhia de energia do Estado. Um cidadão – ainda não identificado – usa seu CPF há anos no município de Ipirá (BA). Além disso, conseguiu na Justiça (com CPF ‘roubado’) um religamento da energia cortada por… decisão judicial. O bairro do ‘gato’ chama Pau Ferro. Procurada, a Coelba ainda não se posicionou.

ESPLANADEIRA

# Maple Bear fecha parceria com com YouFeel, startup focada em saúde mental que vai auxiliar seus colaboradores. # # Acontece dia 24 a webinar “Como elaborar uma estratégia de Transformação Digital do seu negócio em 2021”, da WSI Master Brasil. # Jornalista Isa Colli lança dia 26 nova obra, ‘O Reino do Tempo’ , pela editora Colli Books.
Esplanadeira é a seção da Coluna para divulgação de informações de mercado, artes, ação social, esportes e afins, sem qualquer vinculação publicitária ou financeira com este espaço. Sugestões para [email protected]

Leandro Mazzini

Leandro Mazzini

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia