Tópicos em alta: sarampo / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

Carteira aberta

Por Leandro Mazzini, com Walmor Parente (DF), Beth Paiva (RJ) e Henrique Barbosa (PE)

09/09/2019 às 11h24 - Atualizada 09/09/2019 às 13h37

Assim como na Câmara, a aprovação com folga da Reforma da Previdência em dois turnos no plenário do Senado dependerá da disposição do Palácio do Planalto em liberar recursos, por meio de emendas, para irrigar obras nas bases eleitorais dos senadores. A cobrança dos parlamentares começou antes mesmo de a PEC 06/2019 ser votada e aprovada na Comissão de Constituição e Justiça. Conforme o Painel de Execução de Emendas, mais de R$ 3,2 bilhões foram empenhados este ano para deputados federais. Já para os senadores, o valor atualizado é de pouco mais de R$ 522 milhões.

Novo engavetador?

Augusto Aras foi o nome menos rejeitado entre partidos para a Procuradoria Geral da República. Ele poderá botar Geraldo Brindeiro na gaveta, Ops, no esquecimento.

É com vocês

Bolsonaro está com base frágil no Congresso. O presidente sairá com discurso de vítima dos congressistas diante da iminente derrubada de vetos à Lei de Abuso da Autoridade.

Corte vindouro

Dados quentes nas mãos de palacianos apontam fraudes em pagamentos do Bolsa Família a 235 mil beneficiados.

Teto de gastos

Deve-se à pressão do mercado financeiro o recuo do Governo Bolsonaro e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre a possível flexibilização da regra do teto dos gastos – que limita o crescimento das despesas da União pela inflação. Em maio, Rodrigo Maia dizia que os limites impostos pela emenda, somados ao baixo crescimento da economia brasileira nos últimos cinco anos, levariam o Brasil a um “colapso social”.

Sinai$

Agora, afirma ser “um erro” flexibilizar o teto. O presidente Bolsonaro também mudou o discurso: passou a defender a manutenção da regra um dia depois de falar em flexibilização. A equipe econômica mantém o alerta de que mudanças no teto poderiam passar ao mercado sinais de risco de descontrole das contas públicas.

O conteúdo continua após o anúncio

Calvário..

Está desconfortável a convivência do governador da Paraíba, João Azevedo (PSB), com o seu partido. Ele não admite que poderá deixar o partido, mas ainda não confirmou a sua presença na reunião de hoje convocada pelo presidente da legenda, Carlos Siqueira.

..socialista

O partido está refém de denúncias do Ministério Público do Estado sobre fraudes ocorridas na gestão do seu padrinho e ex-governador Ricardo Coutinho na Operação Calvário, que apura esquema de corrupção nos anos de 2009 a 2011.

Fogo na Estrela 1

Pegou de surpresa os colegas o anúncio da candidatura do líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), à presidência da legenda. O gaúcho firmara apoio à candidatura do também deputado federal Paulo Teixeira (SP).

Fogo na Estrela 2

Teixeira diz ter lido com surpresa o lançamento do colega, “mesmo tendo ele participado de todo o processo e se posicionado pelo meu nome como candidato”. Os petistas foram às urnas ontem. Com Lula da Silva orientando tudo da cadeia.

Viatura na pista

A Polícia Federal pode ligar os giroflex em breve nas ruas. Auditoria do TCU – que sempre embasa operações no segmento – achou mais de 1 milhão de casos com indícios de irregularidades nos benefícios da Previdência Social em 2018, como pagamento acima do teto, acumulação indevida de benefícios e documento titular inválido.

Mortos-Vivos

Sobre benefícios trabalhistas, a fiscalização apurou cerca de 70 mil casos de desvios. Destacam-se, por exemplo, 2.960 notificações de pagamentos realizados após a data de falecimento do beneficiário.

Leandro Mazzini

Leandro Mazzini

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia