Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / polícia / eleições 2020 / bolsonaro

Cada qual com seu cabelo

Por Ana Paula Calixto

31/07/2020 às 06h58 - Atualizada 31/07/2020 às 07h27

Há alguns dias, uma amiga que mora em outro país me avisou que estava a caminho do salão pra pintar os cabelos de rosa. Mandei uma mensagem gritando que nããão! Seu cabelo é tão lindo, um loiro maravilhoso, sua marca registrada. E apelei: vou chamar a sua mãe! E ela rindo muito, me respondeu: sou dessas amiga, você me conhece! E agora sou essa pessoa: aventureira, de cabelo colorido, da yoga, da meditação, a vida é assim, sempre mudando e a gente muda junto, espírito de camaleão! E caiu na gargalhada!

Escolhi o caso da minha amiga, uma mulher linda, mães de dois filhos jovens, que está vivendo um momento de várias conquistas pessoais e profissionais, pra começar a coluna pois ilustra bem como os cabelos refletem a personalidade e o momento de vida da mulher. Ela, que sempre foi dona de uma cabelo loiro “dentro dos padrões”, rompeu com o que esperavam dela, inclusive eu, e escolheu o cabelo rosa para acompanhá-la neste novo momento de vida. Simples assim: ela é exuberante e seu novo cabelo rosa reflete o seu novo estilo de vida.

Mas não tão simples, não é mesmo? Olha só o meu espanto com a decisão dela, logo eu que me acho tão aberta para escolhas de estilo! E pensar que rosa é só uma cor, mas fora dos padrões que ainda determinam o que é aceitável, o que é adequado. Quebrar paradigmas não é tão simples, e no que diz respeito a estilo de cabelo, ainda temos um longo caminho pela frente! Frases como essas são comuns: “Cabelo comprido não combina com mulher mais velha”, “Cabelo curto não é feminino”, ” Cabelo branco é desleixo”, ” Muito cacheado, devia domar este cabelo”, ” Cabelo colorido? Isso é coisa de adolescente!” E ainda a questão da cabeça raspada nunca ser considerada uma opção, mas sim uma necessidade.

Questão de identidade

Cabelos revelam estilo e identidade, além de estarem ligados à ideia de feminilidade. Corte, estilo, comprimento, tons, constituem um dos principais sinais de identidade e a maneira como somos e queremos ser percebidos. Um cabelo que nos satisfaça é um fator crucial para a autoconfiança e formação da imagem que possuímos de nós mesmas. A estreita relação entre cabelo e imagem pessoal pode ser um fator muito importante na questão da autoestima. Cuide e acima de tudo goste do seu cabelo, e se não estiver curtindo o jeito que ele está agora, busque alternativas para transformá-lo. Cabelo não é como roupa, que a gente pode trocar a qualquer momento, mas podemos utilizar de recursos para adaptá-lo aos nossos humores. Muitas vezes, só a maneira de pentear ou prender o cabelo já faz toda a diferença. E lenços, presilhas ou arcos podem trazer uma bossa interessante.

Mas se o desejo de mudar está gritando dentro de você, e quer experimentar um novo corte ou cor, o primeiro passo é procurar um especialista, e não se aventurar sozinha. Mesmo com os salões fechados por causa da pandemia, os profissionais da beleza estão realizando um significativo trabalho de informações pelas redes sociais. A cabeleireira e especialista em coloração Jael Pifano, com mais de 40 anos de atuação, ressalta que cabelo é uma questão de combinar formato de rosto, cor de pele, cor de olhos, estilo e, principalmente, personalidade. E ninguém melhor que o profissional, com toda a sua expertise, para avaliar juntamente com o cliente quais os procedimentos mais adequados para mudanças. O ingrediente principal é a confiança.

O conteúdo continua após o anúncio

Jael conta que há uma grande variedade de estilo de cortes e coloração em alta, mas o corte do momento é o short Bob, um releitura mais despojada do clássico Chanel, com a base reta, sem pontas, na altura do queixo ou da saboneteira. Quanto às cores, os tons estão mais inclinados pro dourado, marrom. Mas Jael, notoriamente reconhecida pelos tons de louro que produz, lembra que o louro é um clássico, e o preferido de muitas mulheres. A dica da expert é que o louro vem mais fechado, num tom mais dourado e com a raiz mais escura, usando a técnica de esfumar e as pontas mais claras, num efeito de degradé.

A naturalidade também aparece no número cada vez maior de mulheres que estão assumindo os cabelos brancos. Jael ressalta que, no processo de transição, a melhor opção para quem tem tinta no cabelo é ir cortando para tirar a coloração, pois não há tintura que se aproxime da cor natural branca do cabelo grisalho.

‘O cabelo pede’

Para Jael, o mais importante é o cabelo estar bem cuidado, com produtos adequados. Ela ensina que o cabelo “pede”, seja limpeza da raiz, água, proteína, queratina, aminoácidos e ninguém melhor que o profissional para avaliar quais procedimentos são necessários. “Não adianta só hidratar, ou hidratar em demasiado, não pode por exemplo usar queratina sempre, o cabelo pesa, às vezes o que ele precisa é limpar a raiz”, ensina. Mudar e melhorar o visual dos cabelos pode aumentar a autoestima e até transformar o comportamento de uma mulher, mas antes de qualquer mudança, o primeiro passo é cuidar da saúde dos seus cabelos! As alterações dos hábitos, assim como as circunstâncias emocionais, repercutem em todo o corpo, inclusive nos cabelos.

Segundo a Dra. Marcella Nascimento, dermatologista, tricologista e médica responsável pela Clínica Optimize, existem vários mitos. Um deles seria sobre o corte fazer os fios crescerem com mais rapidez. O que faz crescer os cabelos são nutrientes e ativos que atingem o bulbo capilar, estrutura essa presente dentro da pele. Uma verdade seria a recomendação para evitar dormir com os cabelos molhados. A umidade predispõe a proliferação de fungos presentes no couro cabeludo, que podem agravar um quadro de dermatite seborreica, também conhecida como caspa.
Em tempos de pandemia, os cabelos, sobretudo os longos, podem ser veículos de propagação do vírus. Por isso, é importante mantê-los presos, evitar manuseá-los e, se for a locais com grande aglomeração de pessoas, como os mercados, o ideal seria lavá-los imediatamente ao chegar em casa.

FICHA TÉCNICA:
Ilustração: Danibrito @mercadodasalvacaostudio

Ana Paula Calixto

Ana Paula Calixto

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia